Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo da atividade imunomoduladora do peptídeo Fc-RP1 em Tilápias do Nilo (Oreochromis niloticus) durante aerocistite infecciosa por Streptococcus agalactiae

Processo: 19/12307-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2019
Vigência (Término): 30 de novembro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária
Pesquisador responsável:Marco Antonio de Andrade Belo
Beneficiário:Herlem Camila Pinto da Silva
Instituição-sede: Universidade Brasil. Campus Descalvado. Descalvado , SP, Brasil
Assunto(s):Imunidade inata   Piscicultura   Tilápia-do-Nilo   Peptídeos catiônicos antimicrobianos   Oreochromis niloticus   Streptococcus agalactiae   Inflamação aguda   Cinética

Resumo

Visando o crescimento da piscicultura na economia brasileira e da necessidade de se compreender os mecanismos de defesa destes peixes para auxiliar no manejo sanitário das criações, este trabalho propõe o estudo do peptídeo Fc RP1 participando como um modulador do sistema imune, em tilápias do Nilo (Oreochromis niloticus) durante aerocistite infecciosa por Streptococcus agalactiae. Para tal, serão utilizadas 96 tilápias, jovens, acondicionados em 12 aquários, com capacidade de 100 L de água cada, abastecidos com água corrente desprovida de cloro, proveniente de poço artesiano com vazão de 1 L/min, sendo constituídos os seguintes tratamentos: controle não tratado e tratados com 50, 100 e 200µg de Fc-RP1/kg de p.v. Para avaliação da cinética acúmulo celular no foco inflamado, sete peixes por tratamento serão amostrados em três períodos: 6, 24 e 48 horas após a inoculação da bactéria, para a coleta de exsudato da bexiga natatória e sangue para determinação do hemograma. A correlação entre os achados hematológicos e a contagem celular no foco inflamado permitirá investigar a participação deste peptídeo sobre a fisiopatologia da reação inflamatória aguda em tilápias. Além de fomentar conhecimento técnico-científico na área de aquicultura, os achados desta investigação podem representar avanços importantes na determinação de modelos experimentais alternativos para o estudo da meningite humana, tendo em vista que o S. agalactiae é a principal causa de meningite bacteriana em crianças.