Busca avançada
Ano de início
Entree

Captura e evolução na ressonância coorbital retrógrada

Processo: 19/24958-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2020
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Astronomia - Astronomia de Posição e Mecânica Celeste
Pesquisador responsável:Maria Helena Moreira Morais
Beneficiário:Alan Cefali Signor
Instituição-sede: Instituto de Geociências e Ciências Exatas (IGCE). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Assunto(s):Dinâmica orbital   Sistema solar   Planetas   Asteroides   Estabilidade   Simulação   Ressonância orbital

Resumo

Recentemente, foi confirmada a existência de configurações coorbitais retrógradas no sistema solar: o asteróide (514107) Ka'epaoka'awela que completa uma volta ao sol no mesmo período de Júpiter mas orbitando no sentido oposto. Simulações do problema de 3 corpos com dissipação mostraram que ressonâncias retrógradas, e em particular a ressonância coorbital, capturam objetos mais eficientemente do que ressonâncias prógradas. O projeto consiste em simulações de captura na ressonância coorbital retrógrada assistida por forças dissipativas e sua evolução devida a perturbações planetárias. O objetivo é identificar os processos de captura típicos em função dos parâmetros orbitais assim como a estabilidade face a perturbações planetárias. Isso permitirá melhor compreender quais as configurações mais prováveis de serem detectadas em sistemas planetários, e assim elucidar sobre a sua origem.