Busca avançada
Ano de início
Entree

Ventos e ondas Alfvén no transporte de momento angular em discos de acreção protoestelares

Processo: 19/26787-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2020
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2024
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Astronomia - Astrofísica Estelar
Pesquisador responsável:Vera Jatenco Silva Pereira
Beneficiário:Natália Fernanda de Souza Andrade
Instituição-sede: Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/10559-5 - Investigação de fenômenos de altas energias e plasmas astrofísicos: teoria, simulações numéricas, observações e desenvolvimento de instrumentação para o Cherenkov Telescope Array (CTA), AP.TEM
Assunto(s):Formação de estrelas

Resumo

O transporte de momento angular em discos de acreção associados à objetos estelares jovens configura-se como um mecanismo chave para compreensão e descrição da evolução de estrelas -e sistemas planetários- em seus estágios iniciais.Atualmente, existem dois grandes mecanismos na literatura utilizados para explicar o transporte de momento angular em discos de acreção associados à estrelas T Tauri: a Instabilidade Magneto-Rotacional (IMR) e os ventos magnetocentrífugos. Ambos mecanismos são profundamente afetados pelos efeitos MHD não-ideias (resistividade Ohmica,difusão ambipolar e efeito Hall), os quais, por sua vez, estão associados ao grau de ionização das partículas do disco. Há diversos indícios na literatura que o amortecimento de ondas Alfvén pode aumentar a fração de ionização do discode maneira significativa. Dessa forma, esse projeto visa estudar, utilizando processos de recombinação/ionização, além do amortecimento de ondas Alfvén, o processo de transferência de momento angular nesses discos, considerando quetanto a IMR quanto os ventos magnetocentrífugos são atuantes no sistema. O efeito de fontes de ionização externas, além de outros tipos de ventos (tanto ventos térmicos do disco, quanto ventos da protoestrela) também serão considerados.Pretende-se utilizar um código MHD tridimensional para avaliar a evolução temporal do sistema estrela-disco, sob a atuação desses efeitos, incluindo as consequências para a formação de planetesimais.