Busca avançada
Ano de início
Entree

Farmacocinética do naproxeno, celecoxib e meloxicam e validação da metodologia de extração em amostras de saliva por LC MS/MS

Processo: 20/04734-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de maio de 2020
Vigência (Término): 30 de novembro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Clínica
Pesquisador responsável:Adriana Maria Calvo
Beneficiário:Nelson Leonel Del Hierro Polanco
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB). Universidade de São Paulo (USP). Bauru , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:17/12725-0 - Modelo de farmacocinética/farmacodinâmica (PK/PD) na influência do polimorfismo genético do P450 (CYP2C9) de anti-inflamatórios não esteroidais e metabólitos principais a partir de amostras de saliva por LCMS/MS e seu papel na personalização da prescrição, AP.JP
Assunto(s):Farmacocinética   Farmacogenética   Citocromo P-450   Naproxeno   Meloxicam   Celecoxib   Saliva

Resumo

O uso de amostras de saliva em estudos de farmacocinética e bioequivalência vem sendo estudado com sucesso desde meados do século passado, além de ser um excelente meio de controle do abuso de drogas, monitoramento de pacientes que fazem uso crônico de drogas, especialmente aquelas em que o intervalo de concentrações é muito estreito, monitoramento de medicamentos em crianças pela facilidade de obtenção de amostras e também em estudos de farmacogenética. A concentração encontrada em saliva corresponde a fração livre ou não-ligada da grande maioria dos medicamentos, sendo este o valor mais importante quando se estuda a ação farmacológica ou tóxica de uma droga. Esta concentração é mais confiável quando tratamos de fármacos que não se ionizam no pH plasmático normal. Devido ao menor custo, maior adesão dos pacientes, vantagem de se realizar as coletas em sua própria casa, além de ser um método não invasivo, sem riscos de contaminação, as amostras de saliva são bem mais simples de coleta que as realizadas em plasma, que muitas vezes causam hematomas, incômodo ou mesmo não são realizados por medo dos pacientes considerando as múltiplas coletas necessárias em estudos de farmacocinética. Os fármacos escolhidos neste projeto foram baseados na representação de diversas subclasses de AINES, sendo, naproxeno, um derivado do ácido propiônico, não seletivo para COX-2; meloxicam, do grupo dos oxicans, parcialmente seletivo para COX-2; e, celecoxib, um AINE seletivo para COX-2. Todos os medicamentos propostos são extensamente utilizados na prática clínica odontológica, sendo de grande interesse para nossa área de atuação. Cabe ressaltar que participarão deste projeto 30 voluntários, sendo 15 indivíduos não mutados e 15 mutados para o CYP2C9, que comporão a amostra principal da pesquisa, na tentativa de confirmar a hipótese do projeto principal do Jovem Pesquisador de que sujeitos com o genótipo polimórfico no gene CYP2C9 apresentam metabolização mais lenta e ação menos efetiva dos AINES em questão no controle dos sinais inflamatórios. Além do mais, estas pessoas devem ser acometidas por mais efeitos adversos comparados àqueles com genótipo selvagem. (AU)