Busca avançada
Ano de início
Entree

Os impactos sociais da presença de biopolímeros na cadeia de suprimentos de embalagens de alimentos no Estado de São Paulo

Processo: 20/04239-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2020
Vigência (Término): 30 de novembro de 2021
Área do conhecimento:Interdisciplinar
Convênio/Acordo: Trans-Atlantic Platform for the Social Sciences and Humanities
Pesquisador responsável:Sandra Andrea Cruz
Beneficiário:Lais Roncalho de Lima
Instituição-sede: Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia (CCET). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:19/02576-3 - Novas fronteiras na pesquisa de inovação social: gestão da inovação social para BIOPlastics, AP.R
Assunto(s):Polímeros   Biopolímeros   Economia circular   Inovação social

Resumo

Os objetivos do desenvolvimento sustentável até 2030 pedem que governos, organizações internacionais, o setor empresarial e outros atores não estatais contribuam para mudar os padrões insustentáveis de produção e consumo. No Brasil, a Política Nacional de Resíduos Sólidos incentiva o uso de materiais menos agressivos ao meio ambiente. Em um cenário industrial que utiliza cada vez mais matérias-primas de fontes renováveis, o bioplástico aumentou sua presença nas indústrias de plástico, emergindo como uma oportunidade de negócio. Seus componentes, derivados de resíduos agrícolas, como cana-de-açúcar, soja, milho, amido de arroz, entre outros produtos vegetais, oferecem uma ampla versatilidade de aplicação, o que ajuda a manter a eficiência da produção industrial. Embora o mercado global de plásticos biodegradáveis represente menos de 1% do mercado geral de plásticos, espera-se um crescimento acelerado nos próximos anos. No Brasil, os bioplásticos já são produzidos em escala industrial e estão ganhando espaço no mercado. No entanto, enquanto as embalagens de base biológica podem ser vistas como uma "inovação disruptiva", faltam estudos que exploram as implicações sociais e ambientais deste produto. Por exemplo, é difícil distinguir as embalagens bioplásticas de seus correspondentes, resultando em problemas de contaminação e gerenciamento de resíduos em nível municipal. Para resolver esse problema, esta pesquisa se concentrará nos impactos sociais das embalagens de alimentos confeccionadas com bioplásticos em toda a cadeia de suprimentos, especialmente no que se refere à infraestrutura de resíduos, coletores informais (catadores), empresas de reciclagem de plásticos, produtores de alimentos e formuladores de políticas. Como metodologia, esta pesquisa utilizará as ferramentas do Social Innovation Lab. Um laboratório de inovação social reúne estrategicamente (em formato de oficina) uma variedade de partes interessadas para desenvolver um entendimento comum de um problema; as partes interessadas então trabalham juntas em soluções inovadoras por meio de interações de coleta de informações, análise, engajamento criativo e desenvolvimento de protótipos. As oficinas, por meio do Laboratório de Inovação Social, permitem construir novo capital social, gerar idéias inovadoras, compartilhar conhecimentos e integrar equipes interdisciplinares ao mesmo tempo e espaço. (AU)