Busca avançada
Ano de início
Entree

Respostas fisiológicas, morfológicas e do desenvolvimento de metazoários modernos submetidos às condições oceânicas do Neoproterozóico

Processo: 19/18051-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2020
Vigência (Término): 31 de maio de 2023
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia
Pesquisador responsável:André Carrara Morandini
Beneficiário:Flávia Ariany Belato Costa
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/06114-6 - O Sistema Terra e a evolução da vida durante o Neoproterozoico, AP.TEM
Assunto(s):Evolução animal   Fisiologia   Hipóxia   Metazoa   Expressão gênica   Transcriptômica   Neoproterozoico   Oceanos   Oxigênio   Temperatura

Resumo

A fisiologia dos primeiros metazoários tem sido alvo de discussões no meio científico há décadas. Tais discussões têm sido fomentadas pela falta de consenso entre os cientistas em relação à datação aproximada do surgimento desses organismos. Evidências recentes sugerem que os metazoários podem ter se originado no Neoproterozóico sob condições de baixo oxigênio, contrariando a hipótese de que a origem e a diversificação dos animais foram induzidas pelo aumento dos níveis de oxigênio dissolvido nos oceanos. As estimativas teóricas dos níveis de oxigênio suficientes para permitir a vida animal são baixas, e até agora, evidências experimentais de tolerância à hipóxia extrema foram relatadas para apenas uma espécie de esponja. A temperatura oceânica também pode ter desempenhado papel importante na diversificação dos primeiros animais, não sabendo ainda se eles surgiram em um ambiente de água fria ou água quente. Assim, sugere-se investigar a tolerância e as respostas fisiológicas de animais modernos às condições oceânicas do Neoproterozóico, utilizando câmaras de simulação. Propõe-se avaliar a tolerância dessas espécies a condições extremas de níveis de oxigênio e temperatura, e verificar as possíveis respostas adaptativas conservadas a essas condições, quantificando variações na expressão gênica desses indivíduos. Esses experimentos combinados fornecerão informações cruciais para o entendimento das possíveis relações entre as condições ambientais do Neoproterozóico e as inovações evolutivas que deram origem aos animais. (AU)