Busca avançada
Ano de início
Entree

Aumento da ingestão proteica e variáveis bioquímicas e metabólicas de cães com desvio portossistêmico

Processo: 19/27578-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de abril de 2020
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Clínica e Cirurgia Animal
Pesquisador responsável:Márcio Antonio Brunetto
Beneficiário:Bruno Couto Magalhães Camargo Barbosa
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Nutrologia   Nutrição   Regulação metabólica   Reações bioquímicas   Hepatopatias   Hidrolisados de proteína   Cães   Gatos   Estudos randomizados

Resumo

O desvio portossistêmico (DPS) é a presença de vaso(s) anômalo(s) que desvia(m) o sangue da circulação portal para a sistêmica, que pode resultar em manifestações clínicas como a encefalopatia hepática (EH), a principal preocupação. O manejo nutricional associado ao tratamento terapêutico é a base para a melhora do quadro clínico e, muitas vezes, a principal recomendação em longo prazo. O tratamento objetiva diminuir a absorção de compostos tóxicos principalmente por meio de mudança na quantidade e qualidade da proteína dietética. Como a proteína hidrolisada apresenta alta digestibilidade, é possível que esta gere menos compostos tóxicos, o que permitiria a inclusão de maior quantidade de proteína na dieta de cães com DPS, aspecto ainda não avaliado. O presente estudo objetiva avaliar as consequências do aumento da ingestão proteica de cães com DPS, a base de proteína hidrolisada. Serão empregados 12 cães acometidos por DPS. Os animais serão randomicamente divididos em dois grupos: Hep - seis animais que receberão alimento coadjuvante para hepatopatias, a base de proteína de soja, com 15,7% de proteína bruta na matéria seca; e Hid - seis animais que receberão alimento a base de proteína hidrolisada de soja, com 24,7% de proteína bruta na matéria seca. Ao final de 60 dias sob a dieta de cada grupo, será realizado exame físico, pesagem, determinação do escore de condição corporal, escore de massa muscular, colheita de sangue para mensuração da concentração plasmática de amônia, albumina e perfil sérico de aminoácidos. Testes estatísticos serão empregados para a comparação dos resultados obtidos entre os grupos. (AU)