Busca avançada
Ano de início
Entree

A questão dos paradigmas em a Estrutura das Revoluções Científicas de Thomas Kuhn

Processo: 19/22424-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de junho de 2020
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2022
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Filosofia - Epistemologia
Pesquisador responsável:Silvio Seno Chibeni
Beneficiário:Ana Clarice Rodrigues Costa
Instituição-sede: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Filosofia da ciência   Paradigma científico   Revolução científica   Filósofos

Resumo

O elemento filosófico central do clássico de Thomas Kuhn, A Estrutura das Revoluções Científicas (1962), é o conceito de paradigma. Não obstante, o uso, na obra, do vocábulo 'paradigma' ocasionou, logo após a sua publicação, uma série de críticas que questionavam a natureza, a utilidade e o caráter polissêmico do termo. Nas asserções finais do último parágrafo do capítulo IX da Estrutura, Kuhn escreve que a questão dos paradigmas tinha sido até então articulada para se evidenciar seu papel constitutivo nas comunidades científicas e na ciência. Todavia, dali em diante, apresentaria um sentido em que os paradigmas seriam também constitutivos do próprio mundo natural. Este projeto de pesquisa pretende investigar essa intrigante tese: como exatamente Kuhn a teria entendido e defendido na Estrutura; como, depois, procurou distanciar-se das possibilidades interpretativas mais extremas identificadas tanto por seus críticos como por seus simpatizantes; e, quais as alternativas de interpretação mais moderadas que foram propostas por diversos autores. Propõe-se a examinar também como se encontra atualmente, passado mais de meio século da publicação do livro, o debate em torno da tese, debate esse que em alguns contextos parece ter ganhado certa autonomia relativamente à obra de Kuhn, e recuperado vínculos com abordagens epistemológicas e metafísicas clássicas, desenvolvidas fora do círculo específico da filosofia da ciência. (AU)