Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da toxicidade de cianopeptídeos em peixes para consumo humano provenientes de pisciculturas em tanques-rede

Processo: 20/00109-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de junho de 2020
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Ciência e Tecnologia de Alimentos - Ciência de Alimentos
Pesquisador responsável:Ernani Pinto Junior
Beneficiário:Larissa Souza Passos
Instituição-sede: Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/07914-8 - FoRC - Centro de Pesquisa em Alimentos, AP.CEPID
Assunto(s):Piscicultura   Aquicultura   Peixes   Toxicidade   Eutrofização   Estresse oxidativo   Microcistinas   Cianobactérias

Resumo

Com a redução mundial dos estoques pesqueiros em oceanos e água doce, a atividade de aquicultura vem ganhando cada vez mais importância e destaque no cenário mundial por oferecer peixes de qualidade que atendem a essa demanda. Contudo, no ambiente de água doce, alterações nas condições ambientais provocados pela piscicultura podem modificar a composição dos produtores primários, como as cianobactérias, que em determinadas situações produzem metabólitos que afetam a qualidade do pescado, provocando alterações organolépticas e/ou contaminação por toxinas (cianotoxinas). Por essas razões, este estudo tem como objetivo investigar os efeitos provocados por metabólitos produzidos por cianobactérias em espécimes de Oreochromis niloticus (Cichlidae) provenientes de pisciculturas nos Estados de São Paulo e do Espírito Santo. Para isso, haverá a coleta dos peixes em diferentes pisciculturas em tanques-rede de empresas colaboradoras do nosso grupo para: (i) identificação dos compostos majoritários produzidos por cianobactérias presentes nos tanques, (ii) obtenção por isolamento de pelo menos dois dos compostos majoritários e (iii) realização de testes de toxicidade (exposição aguda de 96h) com espécimes de O. niloticus obtidos de pisciculturas onde não há floração de cianobactérias. Além disso, serão avaliados alguns parâmetros relacionados ao estresse oxidativo nos peixes expostos e que envolvem a determinação da atividade das enzimas catalase (CAT), glutationa S-transferase (GST) e peroxidase (GPx) e superóxido dismutase (SOD). Com a realização das análises propostas, espera-se o entendimento das principais implicações da exposição de peixes a produtos naturais produzidos por cianobactérias em tilápias e também o potencial tóxico destas substâncias. Este estudo também contempla o retorno dessas informações aos piscicultores e cooperação em atividades para reduzir o impacto da exposição dos peixes aos compostos possivelmente nocivos produzidos por cianobactérias. (AU)