Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito do ácido do hidroperóxido de urato na oxidação de tióis em proteínas da superfície extracelular de células endoteliais e a relação com a migração, adesão e proliferação celular

Processo: 20/01394-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2020
Vigência (Término): 31 de julho de 2022
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Metabolismo e Bioenergética
Pesquisador responsável:Flavia Carla Meotti
Beneficiário:Danielle Fernandes Vileigas
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:18/14898-2 - Processos redox na inflamação e o seu papel sobre doenças inflamatórias, AP.JP2
Assunto(s):Proteômica   Oxidação   Compostos de sulfidrila   Células endoteliais   Proliferação celular   Ácido úrico   Hidroperóxido de urato

Resumo

Nosso grupo demonstrou que a oxidação do ácido úrico ocorre na fase inicial da Aterosclerose e poderia estar associados ao dano vascular e progressão da doença. A oxidação do ácido úrico por peroxidases gera o radical livre de urato e o hidropéroxide de urato. O hidropéroxido de urato eficientemente oxida a proteína dissulfeto isomerase humana recombinante, uma importante proteína envolvida em remodelamento vascular, agreagação e ativação plaquetária, trombose e sinalização dependente de integrinas. Nosso grupo também demonstrou que o hidroperóxido de urato oxida a PDI da superfície extracelular de células endoteleiais (HUVEC). O hidroperóxido de urato também causou uma oxidação muito significativa em tióis de proteínas da superfície celular, sugerindo que a PDI não seja seu único alvo. Para identificar quais proteínas estão sendo oxidadas e que e se isto afeta a adesão das células na matriz extracelular, um estudo global de proteômica redox das proteínas da superíficie extracelular será realizado. As alterações redox de proteínas da superfície extracelular de células endoteliais será correlacionada com as alterações morfológicaa e funcionais da célula, incluindo espalhamento, migração e adesão. A confirmação das proteínas específicas envolvidas neste processo será feita por microscopia de fluorescência. Estas análises elucidarão o papel da modificação redox de tiól-proteínas na interação com a matriz extracelular e com remodelamento vascular. isto é altamente relevante nesta área de pesquisa, porém ainda não se sabe ao certo o quanto que a produção oxidantes em situações fisiológicas e patológicas pode interferir neste processo celular. (AU)