Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise proteômica do secretoma de células endoteliais: estudo sobre a correlação do ácido úrico e o desenvolvimento da Aterosclerose

Processo: 19/16224-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de junho de 2020
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2022
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Metabolismo e Bioenergética
Pesquisador responsável:Flavia Carla Meotti
Beneficiário:Bianca Dempsey Pinto
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:18/14898-2 - Processos redox na inflamação e o seu papel sobre doenças inflamatórias, AP.JP2
Assunto(s):Inflamação   Doenças cardiovasculares   Aterosclerose   Células endoteliais da veia umbilical humana   Proteômica   Peroxidases   Inibidores enzimáticos   Homeostase   Ácido úrico

Resumo

A doença cardiovascular relacionada à Aterosclerose é a principal causa de morte no Brasil e em países desenvolvidos. A Aterogênese está associada a distúrbios metabólicos como a hiperuricemia, sendo acompanhada de um processo inflamatório no tecido vascular. A oxidação do ácido úrico por peroxidases inflamatórias e a geração de intermediários reativos é um dos mecanismos potencialmente envolvidos na Aterogênese. O endotélio vascular expressa de forma abundante uma heme-peroxidase, a peroxidasina (PXDN), enzima responsável por produzir o ácido hipobromoso, importante para a formação das ligações cruzadas do colágeno e estruturação da matriz extracelular. Dada a similaridade da PXDN com heme-peroxidases já descritas na oxidação do ácido úrico é possível que o ácido úrico seja também substrato para PXDN. A oxidação do ácido úrico pela PXDN pode causar, além da diminuição da síntese de ácido hipobromoso, o aumento da produção espécies reativas derivadas do ácido úrico. Dados preliminares do grupo de pesquisa mostraram que células endoteliais (HUVEC) liberam uma peroxidase capaz de reagir com o ácido úrico, porém esta peroxidase ainda não foi identificada. Desta forma, o objetivo deste projeto é identificar, através das técnicas de proteômica, quais proteínas são liberadas pelas células HUVEC, em busca da peroxidasina. Este projeto também investigará se o ácido é substrato da peroxidasina ou se atua como inibidor enzimático. Em caso de ser substrato, os produtos de oxidação do ácido úrico pelo secretoma das células e pela peroxidasina recombinante serão identificados, a fim de se compreender o mecanismo da oxidação do ácido úrico neste ambiente. Finalmente, esse projeto propõe a investigação, via proteômica, do efeito do ácido úrico e do hidroperóxido de urato em células endoteliais. A execução deste projeto busca contribuir no entendimento dos mecanismos relacionados ao distúrbio da homeostase vascular e progressão da Aterosclerose, bem como o papel do ácido úrico em doenças cardiovasculares. (AU)