Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos da melatonina na regeneração do músculo esquelético distrófico pós-exercício aeróbico de baixa intensidade: um estudo experimental

Processo: 19/18542-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2020
Vigência (Término): 31 de julho de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Anabelle Silva Cornachione
Beneficiário:Maria Paula Guerreiro
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Morfologia (anatomia)   Distrofia muscular de Duchenne   Regeneração muscular   Melatonina   Treinamento aeróbio   Modelos animais de doenças

Resumo

A Distrofia Muscular de Duchenne (DMD) faz parte do grupo de Distrofias Musculares Progressivas (DMP) de caráter grave e letal. A DMD é determinada pela mutação do braço curto do cromossomo X, lócus Xp21, responsável pela produção da proteína distrofina. Esta proteína é responsável em manter a integridade da célula. Devido sua ausência, o músculo torna-se mais susceptível à lesão, apresentando perda progressiva das fibras musculares por degeneração determinando assim, fraqueza muscular significativa. Sendo uma doença que não tem cura, cada vez mais diferentes recursos terapêuticos visam retardar ou até mesmo minimizar o impacto devastador da progressão da doença. O exercício físico de baixa intensidade vem sendo investigado como um recurso promissor. Associado a este, existem algumas drogas/fármacos que podem potencializar os efeitos benéfico do exercício, como a melatonina. Este hormônio endógeno produzido pela glândula pineal, veem mostrando importante papel na regeneração do músculo esquelético, quando administrado de maneira exógena, após lesões determinadas por exercício físico, devido seu efeito anti-inflamatório. Portanto, o objetivo deste estudo será analisar os efeitos da melatonina associada ao exercício aeróbico de baixa intensidade, no músculo esquelético de camundongos mdx, após tratamento crônico. Métodos: Serão utilizados 18 camundongos machos divididos em três grupos de animais mdx (n= 6 C57BL/10- Dmdmdx Sedentários); (n=6 - C57BL/10-Dmdmdx Exercitados+Melatonina) e (n=6 - C57BL/10-Dmdmdx Melatonina). Resultados esperados: Espera-se que a melatonina potencialize os efeitos benéficos dos exercícios.