Busca avançada
Ano de início
Entree

Espilantol e seu potencial antiparasitário e antimicrobiano: estudo dos efeitos em carrapatos de importância médica e veterinária e nos patógenos por eles transmitidos

Processo: 19/20185-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2020
Vigência (Término): 30 de junho de 2022
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Zoologia Aplicada
Pesquisador responsável:Ana Carolina de Souza Chagas
Beneficiário:Luís Adriano Anholeto
Instituição-sede: Pecuária Sudeste. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Brasil). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Controle de carrapatos   Rhipicephalus   Amblyomma sculptum   Patógenos   Ehrlichia   Antiparasitários   Anti-infecciosos   Química verde   Morte celular   Reação em cadeia da polimerase via transcriptase reversa quantitativa (qRT-PCR)

Resumo

Os carrapatos constituem um grupo importante sob o aspecto médico-veterinário, uma vez que são vetores de muitos patógenos, como bactérias, vírus, protozoários e helmintos, afetando animais selvagens e domésticos, bem como os humanos. Atualmente, o método mais utilizado para o controle desses ectoparasitas é aquele que faz uso de acaricidas químicos sintéticos. Entretanto, o uso indiscriminado de tais produtos pode induzir a seleção de carrapatos resistentes e levar ao acúmulo de seus resíduos químicos no ambiente, contaminando o solo e os cursos d'água. Dentre as novas estratégias que vem sendo propostas para se controlar os carrapatos, está a utilização de compostos de origem natural, como é o caso da planta Acmella oleracea (Jambu), uma vez que extratos ricos em espilantol obtidos dessa planta, possui potencial acaricida já conhecido. Dessa forma, o objetivo geral do projeto será verificar o potencial antiparasitário do análogo alcino do espilantol (molécula sintética) contra carrapatos Rhipicephalus microplus e Amblyomma sculptum, bem como seu potencial antimicrobiano contra patógenos intracelulares obrigatórios por eles transmitidos, utilizando como modelo de estudo a bactéria E. minasensis. Para atingir os objetivos, serão realizados testes de mortalidade e repelência de larvas in vitro, teste de mortalidade, parâmetro reprodutivos e analises morfológicas do sistema reprodutor de fêmeas (análises morfofisiológicas e quantificação de processos de morte celular), testes in vivo e condições de semi-campo, ensaios de MTT e reação em cadeia da polimerase em tempo real (qPCR) para avaliação do potencial antimicrobiano do produto. Os resultados fornecerão informações relevantes para o desenvolvimento de estratégias para o controle desses carrapatos e das doenças por eles transmitidas. (AU)