Busca avançada
Ano de início
Entree

Fragmentação socioespacial e experiências urbanas no distrito de São Mateus, cidade de São Paulo-SP

Processo: 20/03383-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2020
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Geografia - Geografia Humana
Pesquisador responsável:Arthur Magon Whitacker
Beneficiário:Karina Malachias Domingos dos Santos
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:18/07701-8 - Fragmentação socioespacial e urbanização brasileira: escalas, vetores, ritmos e formas FragUrb, AP.TEM
Assunto(s):Geografia urbana   Segregação urbana   Desigualdade social   Mobilidade urbana   Produção do espaço urbano   Infraestrutura urbana   Periferia   São Paulo (SP)   Bibliografias

Resumo

O tema central desta pesquisa é a análise da fragmentação socioespacial, um processo polissêmico que deve, portanto, ser cotejado à bibliografia específica e cuja ocorrência é tomada como hipótese a ser investigada na leitura que aqui propomos desde as periféricas metropolitanas. Entendemos que a Cidade é manifestação, produto e meio de inúmeras transformações no decorrer do tempo, podendo se observar distintas manifestações expressas em suas formas, desencadeadas por processos os quais serão abordados nesta investigação. A partir da leitura sobre as periféricas metropolitanas, especificamente na cidade de São Paulo - SP, faremos a análise de uma área de estudo correspondente ao distrito de São Mateus, localizado na Zona Leste da Capital Paulista, tomando como eixo condutor de investigação: a) a avaliação da diferenciação socioespacial; b) das desigualdades sociais; c) em conjunto com a mobilidade urbana. Isso se fará desde o estudo de sujeitos sociais pré-determinados, considerando suas experiências urbanas. Tal quadro metodológico nos permitirá avaliar se os processos acima enumerados, combinados e lidos pelas experiências dos sujeitos, notadamente, a mobilidade urbana, permitem-nos contribuir para a identificação da ocorrência da fragmentação socioespacial.