Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do potencial antioxidante e antiglicação de extrato bruto e frações da pimenta Capsicum chinense via sistema-modelo de glicação proteica in vitro

Processo: 20/03286-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de julho de 2020
Vigência (Término): 30 de junho de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica
Pesquisador responsável:Amanda Martins Baviera
Beneficiário:Beatrice Morceli
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Assunto(s):Bioquímica clínica   Diabetes mellitus   Hiperglicemia   Antioxidantes   Capsicum   Avaliação clínica   Técnicas in vitro

Resumo

A manutenção da hiperglicemia por longos períodos é um dos principais fatores responsáveis pelo estresse glico-oxidativo, e este tem participação no desenvolvimento e progressão das complicações do diabetes mellitus (DM). Tornam-se interessantes estudos que tenham por objetivo a busca por opções terapêuticas complementares às terapias convencionais para o DM, especialmente visando o combate ao estresse glico-oxidativo. A espécie de pimenta Capsicum chinense vem sendo estudada devido as suas propriedades medicinais. No entanto, considerando a escassez de informações e relatos técnico-científicos sobre o uso de extratos naturais devido ao seu potencial antiglicação, este estudo tem por objetivo investigar as propriedades antioxidantes e antiglicação da pimenta Capsicum chinense, as quais são minimamente conhecidas. Será realizada a investigação do potencial antioxidante e antiglicação de extrato bruto e frações da pimenta Capsicum chinense via a utilização de sistema-modelo de glicação proteica in vitro, o qual utiliza a proteína albumina sérica bovina (BSA) incubada na presença de glicose durante 30 dias, na ausência ou presença de preparações da planta. Serão verificadas as alterações relacionadas ao estresse glico-oxidativo in vitro, com ênfase na geração de AGEs (produtos finais de glicação avançada), modificações oxidativas em BSA e formação de cross-linking proteico, bem como a realização de ensaios para estudo do potencial antioxidante in vitro.