Busca avançada
Ano de início
Entree

Dinâmica espacial e temporal da cobertura vegetal nativa das zonas de amortecimento das Unidades de Conservação do Estado de São Paulo

Processo: 20/04603-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de junho de 2020
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia
Pesquisador responsável:Paulo Guilherme Molin
Beneficiário:Alexandre Bomfim Gurgel do Carmo
Instituição-sede: Centro de Ciências da Natureza (CCN). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). Campus de Lagoa do Sino. Buri , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:18/18416-2 - Compreendendo florestas restauradas para o benefício das pessoas e da natureza - NewFor, AP.TEM
Assunto(s):Ecologia da paisagem   Áreas de conservação   Dinâmica da paisagem   Cobertura vegetal   Amortecimento   Análise espacial   Análise espaço-temporal   São Paulo

Resumo

A continuidade e perpetuidade de diversas espécies do mundo sofrem ameaças antrópicas em seu meio natural. Um exemplo desta influência é a substituição da vegetação nativa por pastagens, agricultura e áreas urbanas. As dinâmicas de paisagem, resultantes de processos antrópicos, direcionaram a criação da primeira unidade de conservação (UC). O planejamento e estruturação de zonas de amortecimento é uma estratégia importante para atingir os objetivos de conservação das UCs, e também mitigar os problemas de isolamento. Uma Zona de Amortecimento é dita como um local, ao redor da UC, em que o uso e ocupação da terra podem sofrer influências e restrições específicas para a proteção e aumentar a conservação. Dito isso, especula-se que uma vez definida as zonas de amortecimento de determinas UCs, haja um incremento de cobertura florestal ao longo do tempo. Tendo em vista a grande quantidade de UCs no estado de São Paulo, sua dispersão geográfica e a ausência de índices para um possível ranqueamento quantitativo e qualitativo do estado de conservação das zonas de amortecimento, cria-se a necessidade de pesquisas que permitam essa avaliação. O presente trabalho tem por objetivo avaliar, de forma temporal, como as zonas de amortecimento de UCs estão evoluindo em relação a sua cobertura de vegetação nativa, aplicando-se métricas de paisagem. Geraremos um ranking das UCs, de acordo com seu grau de evolução. Para tanto, criaremos uma matriz de transição para a cobertura de vegetação nativa de 1988 a 2018, em janelas de 10 anos, de todas as zonas de amortecimento das UCs do estado de São Paulo; Ranquearemos as UCs de acordo com seu atual estado de conservação das zonas de amortecimento; e ranquearemos as UCs, ano a ano, e de acordo com as métricas propostas. Os resultados gerados poderão ser utilizados para promover políticas públicas e estratégias de ação para otimizar recursos de programas de conservação e restauração, além de servirem como informação para futuros trabalhos que buscarão entender a diferença espacial de diferentes regiões do estado de SP. (AU)