Busca avançada
Ano de início
Entree

Morfologia e resistência adesiva da dentina após clareamento convencional versus técnica híbrida com LED violeta

Processo: 19/26036-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2020
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Materiais Odontológicos
Pesquisador responsável:Patricia Moreira de Freitas Costa e Silva
Beneficiário:Bruno Bachiega da Silva
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FO). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Dentística   Clareamento de dente   LED   Resistência de união (odontologia)   Dentina   Microtração   Microscopia eletrônica de varredura   Teste de Tukey   Análise de variância

Resumo

A demanda estética na Odontologia tem crescido em todo mundo, assim como a busca pelo clareamento dental convencional, que apesar de eficaz, pode alterar propriedades físicas e químicas do elemento dental. Dessa maneira, novas técnicas, como o uso da luz LED violeta, têm surgido e carecem de estudos. A fim de analisar e comparar os efeitos da luz LED violeta na estrutura dental, este estudo investigará a influência do clareamento na morfologia e resistência à união da dentina em dentes humanos hígidos submetidos a diferentes técnicas de clareamento dental: Grupo A - Peróxido de hidrogênio a 35% (1x/semana, durante 4 semanas, 45 minutos de aplicação do gel); Grupo B - Peróxido de hidrogênio a 35% (1x/semana, durante 4 semanas, 15 minutos de aplicação do gel); Grupo C - LED violeta + peróxido de hidrogênio a 35% (técnica híbrida, 1x/semana, durante 4 semanas, 15 minutos de aplicação do gel); Grupo D - nenhuma técnica de clareamento (controle). Os espécimes serão submetidos a ensaio de microtração em Máquina Universal de Ensaios (Kratos equipamentos, Modelo IKCL3-USB, São Paulo, Brasil) a 0,5 mm/minuto e carga de 50 N até a fratura da amostra. Os valores de resistência serão registrados em kN. Dois examinadores realizarão uma análise descritiva (qualitativa) da área de fratura e a análise estatística será feita através da análise de variância unidirecional (ANOVA) e teste de Tukey-Kramer, considerando-se 5% de nível de significância. Adicionalmente, 2 espécimes de cada grupo (n=2) terão sua morfologia de superfície analisada por microscopia eletrônica de varredura (MEV), em tempos pré-determinados. Os dados da MEV serão analisados de maneira descritiva (análise qualitativa), comparando os grupos entre si. (AU)