Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos do desafio sanitário com e. coli k88+ em leitões na fase de creche

Processo: 20/05069-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de junho de 2020
Vigência (Término): 31 de maio de 2021
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária
Pesquisador responsável:Cesar Augusto Pospissil Garbossa
Beneficiário:Ana Clara Rodrigues de Oliveira
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Suinocultura   Produção sustentável   Controle sanitário   Eficiência   Suínos   Contagem de células sanguíneas   Delineamento experimental

Resumo

A fase de creche é caracterizada por desafiar os leitões, devido à diversos fatores estressantes, ambientais e sanitários, decorrentes da modernização e intensificação do sistema produtivo. Objetiva-se com esse projeto avaliar o efeito do desafio sanitário, utilizando cepas de Escherichia coli K88+, em leitões na fase de creche. O experimento utilizará delineamento em blocos casualizados (baias) com doze repetições e dois tratamentos, sendo que o Tratamento 1 (T1) corresponderá aos animais que receberão a dieta controle sem desafio sanitário, e o Tratamento 2 (T2) corresponderá aos animais que receberão a dieta controle com desafio sanitário. Serão utilizados 96 leitões, desmamados aos 21 dias de idade, durante a fase de creche, com período total de 42 dias de experimento, o qual é dividido em três períodos de acordo com as trocas de rações. Ao oitavo, nono e décimo sétimo dia de experimento, os animais do T1 receberão 1 ml de solução salina, e os animais do T2 receberão 1 ml do inócuo bacteriano no oitavo e nono dia de experimento, e 2 ml do inócuo bacteriano no décimo sétimo dia de experimento. Os animais serão pesados semanalmente, e a quantidade de ração fornecida e as sobras serão avaliadas diariamente a fim de quantificar o ganho de peso diário, consumo de ração diário e conversão alimentar. Será realizada a análise do escore fecal, duas vezes ao dia, em todas as baias, para calcular a incidência de diarreia. Aos 11, 28 e 42 dias de experimento, um animal de cada baia será abatido com o objetivo de avaliar hemograma completo, integridade da mucosa, colônias bacterianas e ácidos graxos voláteis. Por fim, será realizada a avaliação do impacto econômica do desafio sanitário.