Busca avançada
Ano de início
Entree

Impacto da intoxicação alcoólica na adolescência sobre o consumo de etanol e o controle inibitório na vida adulta: participação da via arquipalidal

Processo: 20/06214-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de junho de 2020
Vigência (Término): 31 de maio de 2022
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Neuropsicofarmacologia
Pesquisador responsável:Karina Possa Abrahão
Beneficiário:Leticia Pichinin de Souza
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:19/01686-0 - Depois do primeiro ‘drink’, não consigo parar! O efeito do álcool nos sistemas cerebrais de controle inibitório, AP.JP
Assunto(s):Psicobiologia   Consumo de bebidas alcoólicas   Intoxicação alcoólica   Alcoolismo   Tomada de decisão   Adolescência

Resumo

O uso problemático de álcool não é restrito a dependência. Enquanto as pessoas estão intoxicadas, a tomada de decisão é prejudicada, favorecendo escolhas que podem gerar risco e/ou arrependimento. A intoxicação decorre do consumo elevado de álcool, como no "binge drinking", definido pela ingestão de grandes quantidades da droga em poucas horas. O consumo pode ainda se intensificar para padrões mais pesados, que podem levar a blackouts (acentuado prejuízo cognitivo e motor). Padrões de consumo pesado são populares entre adolescentes. A adolescência é um período crítico para o abuso de drogas porque elas interferem com o neurodesenvolvimento e produzem alterações cognitivas, como nos processos de tomada de decisão. Indivíduos que consomem álcool apresentam dificuldades em decidir sobre o uso da droga. A tomada de decisão envolve estruturas corticais, como o córtex pré-frontal, e subcorticais, como os núcleos da base. Esses núcleos agem na seleção de ações e, dentre eles, o globo pálido é importante para o controle inibitório durante a tomada de decisão. Recentemente, cientistas revelaram a diversidade de vias neuronais existentes no globo pálido externo. Destaca-se a via arquipalidal: neurônios que inervam o estriado e agem no cancelamento de ações eminentes. Dados anteriores mostraram que o etanol diminui a atividade de disparo de neurônios arquipalidais. Assim, propomos estudar o impacto da intoxicação por etanol, durante a adolescência, no funcionamento das sinapses dos neurônios arquipalidais sobre o estriado e no comportamento de risco no individuo adulto. (AU)