Busca avançada
Ano de início
Entree

Constelação completa dos genótipos de cinco cepas raras de rotavírus g12p[9] detectadas no Brasil em 2011-2013

Processo: 20/02469-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de julho de 2020
Vigência (Término): 31 de maio de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Saúde Pública
Pesquisador responsável:Adriana Luchs
Beneficiário:Yasmin França Viana Pires de Souza
Instituição-sede: Instituto Adolfo Lutz (IAL). Coordenadoria de Controle de Doenças (CCD). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Virologia   Zoonoses   Rotavirus   Gastroenterite   Filogenia   Genótipo   Sequenciamento   Técnicas de genotipagem   Caracterização molecular

Resumo

Rotavírus do grupo A (RVA) são a principal causa de gastroenterite viral aguda em humanos e animais. Ao longo da última década, a vigilância das cepas de RVA que infectam a população humana mundial evidenciou um aumento na frequência de detecção de genótipos incomuns, comumente isolados em animais, inclusive no Brasil. Estudos filogenéticos sugerem que essas detecções na população humana sejam decorrências direta e/ou indireta de transmissões zoonóticas (ou interespécie). O conhecimento sobre a distribuição genotípica e a evolução de cepas humanas de RVA é de vital importância para a avaliação da eficácia das vacinas vigentes e para o desenvolvimento de novas vacinas. Em países com alta cobertura vacinal contra o RVA, como o Brasil, a pressão seletiva exercida pela vacina pode levar a uma substituição de cepas comuns por cepas incomuns, algumas das quais poderão ser geradas pelo rearranjo entre RVA humano e animal. A identificação de cepas de RVA com combinações atípicas dos genótipos G e P (considerados incomuns ou raros) em humanos é um forte indicativo de transmissão interespécie. O monitoramento das infecções causadas por RVA nos últimos 10 anos (2009-2019), possibilitou a identificação de 5 cepas raras de RVA G12P[9]. A análise VP7 (G) e VP4 (P) apenas não permite determinar a origem exata dessas cepas, e se tais infecções foram resultantes de uma transmissão zoonótica. Somente a genotipagem dos 11 segmentos de RVA (constelação genômica) poderá esclarecer tais questões. O objetivo deste estudo é conduzir a caracterização molecular e a análise filogenética dos 11 segmentos de cepas de RVA G12P[9] detectadas entre 2011 e 2013, visando compreender melhor a relação genética entre RVA de origem humana e animal.