Busca avançada
Ano de início
Entree

Modelo retrospectivo para a busca e identificação de transcritos ligados ao processo de competência oocitária

Processo: 20/02086-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de julho de 2020
Vigência (Término): 30 de junho de 2022
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Reprodução Animal
Pesquisador responsável:Flávio Vieira Meirelles
Beneficiário:Dewison Ricardo Ambrizi
Instituição-sede: Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA). Universidade de São Paulo (USP). Pirassununga , SP, Brasil
Assunto(s):Oogênese   Análise de sequência de RNA   Metilação de DNA   Biologia do desenvolvimento   Bovinos

Resumo

Oogênese se refere ao processo de formação e diferenciação das células germinativas primordiais femininas até a geração de um óvulo fecundado, ou seja, é um evento que se inicia na vida pré-natal e termina na vida adulta da fêmea. Durante o crescimento e desenvolvimento da fêmea o pool de oócitos se encontra em Diplóteno da meiose I, mais precisamente no estado conhecido como vesícula germinativa (GV). Na GV estes oócito são transcricionalmente ativos e armazenam grandes quantidade de mRNAs, sendo estes conhecidos como RNAs maternos devido à sua origem. Estes RNAs são considerados parte da qualidade oocitária e são associados a maturação citoplasmática. Estes apresentam importância para suportar o desenvolvimento embrionário inicial, uma vez que o genoma permanece inativo durante as primeiras divisões do zigoto. Ademais, a maturação nuclear epigenética também é importante para o desenvolvimento do indivíduo à blastocisto. Assim, os genes imprinted merecem destaque devido à sua fina regulação de expressão que ocorre ou no alelo materno ou no paterno. Até o momento, apenas um trabalho utilizou um modelo de estudo retrospectivo para associar RNAs maternos com indivíduos que chegam ao estágio de blastocisto. Este estudo mostrou que o gene IGF2R era presente apenas nas amostras de boa qualidade (chegavam à blastocisto). No entanto, este estudo foi realizado com a técnica de microarranjo que detecta apenas os alvos escolhidos, não detecta pré-miRNAs, lncRNAs, splicing e transcritos não anotados. Ademais, a metilação de DNA ocorre durante o crescimento oocitário onde o ooplasma providencia um microambiente para o genoma do oócito. Este na sequência é divido formando a MII e o primeiro corpúsculo polar (1° CP). O IGF2R, um gene imprinting, é frequentemente encontrado aberrante em indivíduos com síndromes epigenéticas às quais são muito mais frequente (1000x) em embriões produzidos in vitro. Portanto, com pertinência dos fatos aqui elucidados, o objetivo deste estudo é a aplicação de um modelo retrospectivo utilizando biópsias citoplasmáticas e de corpúsculo polar removidas individualmente de oócitos em MII. Os transcritos maternos serão analisados através do RNA-Seq para as biópsias individuais; para o corpúsculo será realizado conversão de bissulfito e amplificação para a região ICR-IGF2R. Utilizaremos o 1° CP para analisar a conclusão do imprinting do oócito sem que haja a destruição deste e verificar se a maturação epigenética ocorreu de maneira adequada para o IGF2R no genoma oocitário. Os grupos comparados serão os que conseguem chegar ao estágio de blastocisto os que têm o desenvolvimento bloqueado no estádio de 2-16 células, respectivamente os competentes e os não competentes. (AU)