Busca avançada
Ano de início
Entree

Carvão hidrotérmico como condicionador de solos na liberação de nutrientes para crescimento de tomate

Processo: 20/04771-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2020
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química
Pesquisador responsável:Márcia Cristina Bisinoti
Beneficiário:Bruna Alves Moreira Fornari
Instituição-sede: Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (IBILCE). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José do Rio Preto. São José do Rio Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Química ambiental   Produção agrícola   Nutrientes   Fertilizantes   Carvão   Argissolos   Método hidrotérmico   Microscopia eletrônica de varredura

Resumo

O carvão hidrotérmico (CH) de subprodutos da cana-de-açúcar apresenta liberação lenta de carbono e nutrientes a destacar o potássio, sendo que estudos iniciais têm demonstrado melhora nas propriedades da planta e solo indicando que o mesmo tem potencial para ser empregado como condicionador do solo, no entanto faz-se necessário o emprego de fertilizantes. Vale destacar que o potássio é um dos minerais estratégicos para a manutenção da produtividade agrícola. Frente ao exposto, este trabalho tem como principal objetivo avaliar se em situação de stress (adição de fertilizante N e P sem adição do K) haverá maior liberação de K de carvão hidrotérmico durante o crescimento de tomates comparado ao sistema que receber fertilizante (NPK). Para isto serão montados vasos contendo solo e/ou areia para plantio de tomate, sendo um controle contendo apenas areia (C) e outro apenas argissolo (CArg), um sistema contendo areia e fertilizante NPK (ANPK), outro areia e adição de 10 t ha-1 de carvão Hidrotérmico e fertilizante NPK (ACHNPK) e outro contendo outro areia e adição de 10 t ha-1 de carvão Hidrotérmico e fertilizante NP (ACHNP) outro sistema contendo um sistema contendo Argissolo e fertilizante NPK (ArgNPK), outro argissolo e adição de 10 t ha-1 de carvão Hidrotérmico e fertilizante NPK (ArgCHNPK) e outro contendo outro argissolo e adição de 10 t ha-1 de carvão Hidrotérmico e fertilizante NP (ArgCHNP). Estes vasos serão mantidos em câmara de crescimento de plantas por 30 dias mantendo fotoperíodo de 16 h dia e 8 h noite. No início e final do experimento serão determinados massa seca da raiz e parte aérea, comprimento da raiz e parte aérea, bem como quantificação de potássio nos solos e na planta. Imagens de microscopia eletrônica de varredura (MEV) da raiz e da parte aérea serão obtidos a fim de verificar melhor enraizamento ou desenvolvimento na presença do CH. Espera-se ao fim desse experimento ter resultado para inferir se o carvão hidrotérmico pode ser usado como fertilizante para liberação de potássio em situação de escassez do elemento.