Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação dos déficits cognitivos induzidos por paclitaxel em modelo de carcinoma mamário murino 4T-1 e possível efeito protetor do tratamento concomitante com canabidiol

Processo: 19/26351-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2020
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Neuropsicofarmacologia
Pesquisador responsável:Sabrina Francesca de Souza Lisboa
Beneficiário:Yurie Sato
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:17/24304-0 - Novas perspectivas no emprego de fármacos que modificam neurotransmissores atípicos no tratamento de transtornos neuropsiquiátricos, AP.TEM
Assunto(s):Imunologia clínica   Neoplasias mamárias   Processos cognitivos   Paclitaxel   Canabidiol   Antineoplásicos   Transformação celular neoplásica   Paciente oncológico   Condutas terapêuticas

Resumo

O déficit cognitivo é uma comorbidades comportamentais altamente prevalente em pacientes oncológicos. O processo inflamatório subjacente ao desenvolvimento tumoral, além de influenciar todas as etapas da carcinogênese, pode contribuir para o aparecimento de comprometimentos cognitivos. Além disso, quimioterápicos, como o paclitaxel (PCX), podem favorecer as comorbidades comportamentais devido aos seus efeitos neurotóxicos e neuroinflamatórios. Neste cenário, o canabidiol (CBD) poderia ser uma alternativa ou um adjuvante na quimioterapia, visto que algumas evidências na literatura sugerem que os canabinoides apresentam atividade antineoplásica, antidepressiva e ansiolítica, além de atenuar a disfunção cognitiva. A partir disso, utilizando modelo carcinoma mamário murino, estudaremos se a associação de CBD ao tratamento com o PCX é capaz de atenuar as possíveis alterações cognitivas induzidas pelo PCX, mantendo ou melhorando a atividade antineoplásica do PCX. Os conhecimentos gerados pelo presente estudo contribuirão tanto para o melhor entendimento dos mecanismos envolvidos no comprometimento cognitivo dos pacientes oncológicos, quanto para desenvolver abordagens terapêuticas que não só exerçam atividade antineoplásica, mas que visem melhor qualidade de vida e sobrevida de pacientes oncológicos.