Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito do excesso de manganês na germinação e no crescimento inicial das espécies de leguminosas arbóreas nativas Stryphnodendron adstringens e Mimosa bimucronata (Leguminosae - Mimosoideae)

Processo: 20/01659-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2020
Vigência (Término): 31 de julho de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Pesquisador responsável:Sarah Caroline Ribeiro de Souza
Beneficiário:Julia Thomaz
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Leguminosae   Nodulação   Fitotoxicidade   Metais pesados

Resumo

O manganês (Mn) é um micronutriente essencial às plantas, no entanto em elevadas concentrações se torna fitotóxico. Alguns solos podem apresentar, além de elevadas quantidades de alumínio e baixo pH, elevadas quantidades de Mn. Além disso, o Mn se torna mais disponível em baixo pH. Dessa forma o objetivo do presente trabalho será avaliar os efeitos do excesso de Mn na germinação e no crescimento inicial de duas espécies nativas de leguminosas arbóreas da subfamília Mimosoideae: uma espécie característica de Cerrado, Stryphnodendron adstringens (barbatimão) e outra característica de Floresta Atlântica, Mimosa bimucronata (maricá). Nossa hipótese é de que o Mn em elevadas concentrações no solo com baixo pH irá promover efeitos tóxicos sobre a germinação e crescimento dessas espécies. Para testar essa hipótese sementes dessas espécies serão germinadas diretamente em vasos de 3 litros de capacidade em solo com diferentes concentrações de Mn (0, 150, 300, 600 mg. Kg-1). Posteriormente à germinação, apenas uma plântula será mantida por vaso. Após 90 dias da germinação as plantas serão coletadas e serão feitas as análises de crescimento incluindo a biomassa fresca e seca de parte aérea (caule e folhas) e raiz, área foliar e aspectos relacionados a nodulação. A colonização micorrízica das raízes também será avaliada. Os pigmentos fotossintéticos, bem como compostos relacionados ao metabolismo de nitrogênio e a estresses em plantas, como o malondialdeído (MDA - TBARs), nitrato, amônia e aminoácidos totais serão dosados. A partir da metodologia empregada, espera-se observar possíveis alterações no crescimento e também na fisiologia dessas plantas sob excesso de Mn. Espera-se ainda que as plantas apresentem mecanismos distintos de susceptibilidade e/ou de tolerância ao Mn, e também que os fungos micorrízicos arbusculares (FMAs) possam auxiliar nessa tolerância.