Busca avançada
Ano de início
Entree

Soroepidemiologia de Mayaro Vírus em gestantes de alto risco da Coorte Zika Jundiaí soropositivas para Chikungunya Vírus

Processo: 20/04342-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2020
Vigência (Término): 31 de agosto de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Pesquisador responsável:Saulo Duarte Passos
Beneficiário:Mariana Longo Moraes
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Jundiaí (FMJ). Prefeitura Municipal de Jundiaí. Jundiaí , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/08578-0 - Infecção vertical pelo vírus Zika e suas repercussões na área materno-infantil, AP.TEM
Assunto(s):Infecções por Arbovirus

Resumo

Introdução: O Mayaro Vírus (MAYV) é um alfavírus envelopado de RNA da família Togaviridae causador da síndrome febril e artrite (similar à causada pelo Chikungunya Vírus - CHIKV), sendo considerado o principal vírus artritogênico da América do Sul. Este é endêmico na região norte e centro-oeste do Brasil e afeta indivíduos de todas as idades e sexos, com maior incidência nos períodos de chuva. O ciclo de transmissão se dá, principalmente, pelos mosquitos Hemagogos, mas estudos mostram que pode ser transmitido por Aedes aegypti e Ae. albopictus. Assim o ciclo pode também ser urbano utilizando os humanos como amplificadores virais e contribuindo para novos surtos de MAYV no país. A infecção viral pode apresentar sintomas como febre, dor de cabeça, rach, mal-estar, mialgia, artralgia de grandes articulações e artrite, que é similar à provocada pelo CHIKV. Devido ausência de antiviral específico para MAYV, o tratamento é sintomático com anti-inflamatórios não esteroidais e analgésicos para alívio da dor e da febre, o mesmo tratamento usado para outras arboviroses como CHIKV. Atualmente, não há vacinas disponíveis para a profilaxia da infeção por MAYV, mas já há alguns protótipos em testes pré-clínicos. Devido à similaridade da clínica causada pelo MAYV quando comparada à outras arboviroses como o CHIKV, estudos demonstram que ainda há uma vigilância epidemiológica ineficaz nas áreas endêmicas devido à suposta subnotificação. Apenas o diagnóstico clínico pode conferir casos falso-positivos para outros vírus, como o CHIKV, subestimando os números reais de infecção pelo MAYV. O CHIKV, assim como o MAYV, é um alfavírus envelopado de RNA da família Togaviridae. Ambos pertencem ao complexo Semliki, grupo sorológico dentro do gênero alfavírus, com compartilhamento de pontos antigênicos que pode levar a reação cruzada entre essas espécies, dificultando mais o diagnóstico laboratorial. Devido a similaridade antigênica e de sintomas entre CHIKV com o MAYV, faz-se necessário ampliar a disponibilidade e os métodos laboratoriais a fim de fornecer um diagnóstico correto e preciso, contribuindo assim com a vigilância epidemiológica do MAYV. Além disso, com o diagnóstico correto de MAYV e diferencial para CHIKV é possível analisar especificamente as manifestações e as repercussões clínicas da infecção por MAYV na população da região e na paciente gestante de alto risco e em seu concepto, verificando a necessidade de um monitoramento da mãe para possíveis intercorrências gestacionais e obstétricas, além de seu recém-nascido. Informações como estas, acerca da relação da infecção por MAYV em gestantes e suas consequências durante a gestação são escassas na literatura, assim como transmissão vertical, repercussões neonatais da infecção e decaimento dos títulos de IgG anti-MAYV nos conceptos de mães soropositivas para a arbovirose. Objetivos: Verificar a frequência sorológica do MAYV através da presença de anticorpos IgM e IgG durante o momento do parto em gestantes de alto risco que foram soropositivas para Chikungunya Vírus. A partir desses dados poderão ser verificadas a possível endemia de MAYV na região de cobertura da Coorte Zika Jundiaí e a necessidade de monitoramento durante o período gestacional para MAYV a fim de verificar possíveis intercorrências, tal como agravamento das comorbidades maternas, possíveis complicações obstétricas (óbito fetal, aborto, nascimento pré termo), bem como avaliação do recém-nascido (pequeno para idade gestacional -PIG- e acompanhamento dos recém-nascidos MAYV positivos ou expostos durante o primeiro ano de vida) e analisar o decaimento dos títulos de anticorpos IgG anti-MAYV no primeiro ano de vida dos conceptos expostos.Materiais e métodos: O presente estudo faz parte do estudo de Coorte Zika Jundiaí e utiliza como amostra as mães soropositivas IgG e/ou IgM anti-CHIKV. As amostras dessas gestantes serão testadas sorologicamente por meio de ensaio imunoenzimático (ELISA) para detecção de anticorpos anti-MAYV.