Busca avançada
Ano de início
Entree

Bioacessibilidade de casca de jabuticaba em modelo colônico dinâmico e efeito anti-inflamatório em macrófagos

Processo: 19/25048-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de agosto de 2020
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2024
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Ciência e Tecnologia de Alimentos
Pesquisador responsável:Mário Roberto Maróstica Junior
Beneficiário:Livia Mateus Reguengo
Instituição-sede: Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Alimentos, dieta e nutrição   Bioacessibilidade   Plinia cauliflora   Jabuticaba   Anti-inflamatórios   Digestão   Compostos fenólicos   Ácidos graxos voláteis   Macrófagos   Células RAW 264.7

Resumo

O Brasil é considerado o maior produtor mundial de frutas tropicais, no entanto, 30 a 40% de subprodutos agrícolas são gerados durante a produção de sucos e polpas. Têm-se relatos de que coprodutos de frutas tropicais são fontes de substâncias benéficas, como as antocianinas e ácidos fenólicos, encontrados em resíduos de "berries". Apesar da ingestão abundante de polifenóis provenientes da dieta, apenas uma pequena porção é diretamente absorvida pelo organismo (aproximadamente 0,5% a 1,0%). Sendo assim, grande parte dos compostos fenólicos seguem para o cólon, onde sofrem metabolismo pela microbiota intestinal. Além dos ácidos fenólicos (derivados de polifenóis vegetais), os Ácidos Graxos de Cadeia Curta (AGCC) são outro grupo chave de metabólitos, gerados a partir da fermentação de compostos dietéticos não-digeríveis. Apesar da relevância fisiológica, estudos in vivo apresentam diversas limitações analíticas e éticas, fazendo com que simulações in vitro, que mimetizam a composição microbiológica e atividade em diferentes regiões do intestino humano, sejam mais vantajosas. O Simulador do Ecossistema Microbiano Humano (SEMH®) é um dos únicos modelos intestinais que mimetiza todo o trato gastrointestinal, incorporando o estômago, intestino delgado e diferentes regiões do cólon (ascendente, transcendente e descendente). Conhecer a biodisponibilidade e bioacessibilidade de compostos bioativos nas matrizes alimentícias, em especial de coprodutos de frutas tropicais como a jabuticaba, é uma característica essencial para a valorização destes alimentos, e para a constatação de sua funcionalidade já evidenciada na literatura. Sendo assim, o objetivo deste trabalho é avaliar a influência da digestão da casca de jabuticaba nos metabólitos gerados, em especial os ácidos fenólicos e ácidos graxos de cadeia curta, utilizando o SEMH, além de seu efeito anti-inflamatório em células humanas do sistema imune (RAW 264.7 macrófagos). (AU)