Busca avançada
Ano de início
Entree

Sistemas multifuncionais destinados à liberação cólon específica do bevacizumabe para o tratamento do Câncer Colorretal

Processo: 19/10761-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2020
Vigência (Término): 30 de junho de 2023
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Farmacotecnia
Pesquisador responsável:Maria Palmira Daflon Gremião
Beneficiário:Suzana Gonçalves Carvalho
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:14/50928-2 - INCT 2014: Nanotecnologia Farmacêutica: uma abordagem transdisciplinar, AP.TEM
Assunto(s):Nanopartículas poliméricas   Nanotecnologia farmacêutica   Sistemas de liberação de medicamentos   Bevacizumab   Quitosana   Pectinas   Neoplasias colorretais

Resumo

O Câncer Colorretal é um problema de saúde pública, entre os tipos de Câncer ocupa a terceira posição em termos de incidência e o segundo em mortalidade. Por anos, a quimioterapia endovenosa tem sido o recurso terapêutico utilizado no tratamento do Câncer, todavia, a eficácia terapêutica limitada e os efeitos adversos comprometem a utilização por essa via. O bevacizumabe (BVZ) foi o primeiro anticorpo monoclonal (mAb) aprovado pela FDA (do inglês, Food and Drug Administration) e tem mostrado importante avanço na terapia antitumoral em que a sobrevida sobrepõe a toxicidade. Devido às limitações da quimioterapia endovenosa, a terapia antineoplásica por vias não parenterais, como a via oral, representa a possibilidade de um tratamento em domicílio, que ofereça uma maior comodidade e segurança ao paciente, o que contribui significativamente para a melhoria da qualidade de vida do paciente e para adesão ao tratamento. O desenvolvimento de sistemas de liberação sítio-específico de fármacos, a partir da vetorização do fármaco para o cólon, favorece sua ação farmacológica seletiva no sítio tumoral e pode melhorar a eficácia terapêutica, com redução da toxicidade sistêmica. A associação de estratégias, tais como o desenvolvimento de nanopartículas com capacidade mucoadesiva e a incorporação das mesmas em micropartículas visando a proteção do sistema frente as condições variáveis do Trato Gastrintestinal (TGI) representa uma promissora plataforma tecnológica para liberação colón específica do BVZ. Propriedades bio/mucoadesivas da Quitosana (QTZ) e Goma Gelana (GG) os fazem polímeros promissores no desenvolvimento das nanopartículas mucoadesivas e polissacarídeos naturais resistentes a digestão enzimática nos segmentos superiores do TGI e com biodegradabilidade dependente de enzimas colônicas, como a Pectina (PEC) e Amido Retrogradado (AR) formam uma potencial estratégia para o desenvolvimento das micropartículas. O presente projeto tem como objetivo desenvolver nanopartículas de GG e QTZ contendo BVZ pelo método de complexação polieletrolítica e incorporá-las em micropartículas baseadas em AR e PEC. Os sistemas serão caracterizados através de análises de eficiência de encapsulação, morfologia, tamanho, potencial zeta, propriedades químicas, térmicas, reológicas e mucoadesivas. O desempenho do sistema será avaliado através de estudos de liberação in vitro e a avaliação da atividade anti-angiogênica do BVZ será realizada em membrana Corioalantóica (CAM) de ovos de galinha (ex vivo). (AU)