Busca avançada
Ano de início
Entree

Nanopartículas de ouro funcionalizadas com complexo de platina para tratamento de tumores

Processo: 20/06576-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2020
Vigência (Término): 31 de agosto de 2021
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Biomédica
Pesquisador responsável:Leandro José Raniero
Beneficiário:Vitor Gabriel Poli de Lima
Instituição-sede: Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento (IP&D). Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP). São José dos Campos , SP, Brasil
Assunto(s):Nanotecnologia   Desenvolvimento de fármacos   Nanopartículas de ouro   Platina   Funcionalização   Solução salina hipertônica   Teste de biocompatibilidade   Espectroscopia

Resumo

Os complexos de platina têm sido frequentemente utilizados na elaboração de fármacos anticancerígenos devido a sua capacidade de ligação com nucleobases do DNA, especificamente a guanina, e clivar essas moléculas, impedindo a replicação e transcrição do mesmo, ocasionando a morte da célula por apoptose. A nanotecnologia tem sido uma das grandes ferramentas utilizadas em diversas áreas da ciência devido a sua aplicabilidade e versatilidade, sendo esse fator resultante das propriedades únicas e exclusivas dos materiais em escala nanométrica. As nanopartículas de ouro são um dos materiais nanométricos com maior interesse dentro da elaboração de complexos nanomédicos por possuírem características químicas e ópticas dependentes de seu tamanho e forma, além de sua alta biocompatibilidade e propriedade de carregamento de fármacos, podendo tornar o tratamento mais direto e seletivo. Para a produção das nanopartículas funcionalizadas com o complexo de platina serão utilizados como ligantes intermediários os oligonucleotídeos tiolados, sendo a ligação entre o enxofre presente em uma das extremidades e a nanopartícula de ouro formada devido a afinidade entre os elementos, da mesma forma que a platina será ligada às guaninas presente nas cadeias dos oligonucleotídeos tiolados utilizados, sendo elas: S-C-4GAAGGA e S-C-4GAAAAG. A quantidade de platina utilizada para formação do complexo será determinada a partir de uma variação de concentração da mesma adicionada durante o processo de síntese da estrutura, assim como a solução terá seu pH variado para estudo da interferência dessa característica da solução na formação do complexo, sendo confirmada a funcionalização a partir da Espectroscopia FT-IR, além da estabilidade das partículas pré e pós funcionalização ser analisada por Espectroscopia UV-Visível, DLS e Potencial Zeta, assim como testes de estabilidade com soluções salinas.