Busca avançada
Ano de início
Entree

Associação entre a prevalência de transtornos depressivos e ansiosos e síndrome metabólica: uma análise transversal no ELSA- Brasil (Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto)

Processo: 20/06887-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2020
Vigência (Término): 31 de agosto de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Andre Russowsky Brunoni
Beneficiário:Laura Fernandes Berto
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Síndrome metabólica   Depressão   Psiquiatria   Ansiedade

Resumo

Depressão e ansiedade estão entre os transtornos mentais mais prevalentes no mundo, sendo grandes contribuidores para a carga global de doenças. Diversos estudos têm demonstrado a associação de transtornos mentais com doenças clínicas, estilo de vida e quadro pró-inflamatório, revelando uma associação complexa e multifatorial. Buscando estudar tal associação, propomos investigar a relação de transtornos mentais com a Síndrome Metabólica (SM), quadro que afeta quase um quarto da população mundial. Pacientes com transtornos mentais e SM apresentam fatores de risco semelhantes, tais como sedentarismo, tabagismo, sobrepeso/obesidade e estresse. Nesse contexto, propomos a realização de um estudo transversal para investigar a relação entre as prevalências dos transtornos depressivos e ansiosos e da SM em uma população LMIC (Low-to-Middle-Income Country), já que tal associação foi estudada quase que exclusivamente em países de alta renda. O estudo será baseado na primeira onda (2008-2010) do Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto (ELSA-Brasil), uma coorte multicêntrica aplicada em 15.105 funcionários públicos brasileiros. Os transtornos mentais foram classificados de acordo com o CIS-R e o CID-10 e a SM de acordo com sua definição pela NCEP-ATP III. Na análise estatística, diferentes modelos (regressões logísticas múltiplas) serão criados, tendo como variáveis dependentes os transtornos mentais (episódios depressivos, transtornos ansiosos ou transtorno mental comum) e como variável independente a SM. Os modelos serão ajustados por uma série de variáveis de confusão, como aspectos sociodemográficos e de estilo de vida. Como benefício, nosso estudo poderá auxiliar no manejo de transtornos mentais em contextos clínicos, particularmente em populações de países LMICs.