Busca avançada
Ano de início
Entree

Alterações morfológicas e potencial de inibição de bombas de efluxo de Mycobacterium tuberculosis tratado com Tanshinona I, Tanshinona IIA e Cryptotanshinona

Processo: 20/08393-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2020
Vigência (Término): 31 de outubro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Pesquisador responsável:Fernando Rogério Pavan
Beneficiário:Maiara Alane Baraldi Cerquetani Rosa
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Assunto(s):Microscopia eletrônica de varredura   Morfologia   Mycobacterium tuberculosis

Resumo

A Tuberculose é um problema de saúde pública que está presente desde os primórdios da humanidade. Elucidada por Robert Koch, essa doença tem como principal agente patológico o bacilo da Mycobacterium tuberculosis, que causa uma infecção no alvéolo pulmonar. Ela se destaca como patologia por sua alta taxa de resistência aos antimicrobianos e também por ser a principal causa de morte por um único agente infeccioso. Essa resistência pode ser associada, por exemplo, às bombas de efluxo bacteriano, proteínas de membrana capazes de diminuir a concentração intracelular de fármacos ao expulsá-los da célula. Neste trabalho foram selecionados alguns compostos naturais, com resultados prévios interessantes, para a avaliação de sua atividade frente à M. tuberculosis, são eles a Tanshinona I, Tanshinona IIA e Cryptotanshinona, substâncias isoladas da Salvia miltiorrhiza, uma planta extremamente importante na medicina tradicional chinesa e que apresenta várias aplicações farmacêuticas, entretanto, elas ainda não foram objetos de pesquisa frente ao bacilo da tuberculose. Desse modo, temos como objetivo observar se esses compostos possuem atividade de inibição de bomba de efluxo e quais as alterações morfológicas que ocorrem nas culturas bacterianas expostas à eles. Para isso, usaremos o ensaio de acúmulo de brometo de etídio e a microscopia eletrônica de varredura (MEV). Os resultados obtidos poderão indicar o potencial mecanismo de ação desses compostos inibindo ou não as bombas de efluxo e as alterações na morfologia celular (bolhas, enrugamento ou arredondamento) pelas imagens de MEV.