Busca avançada
Ano de início
Entree

Violência sexual por parceiro íntimo, normas de gênero e saúde mental no ensino médio: contribuições para a implementação e a análise de processo de uma intervenção psicossocial baseada em direitos humanos

Processo: 20/01129-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2020
Vigência (Término): 30 de junho de 2022
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Psicologia Social
Pesquisador responsável:Vera Silvia Facciolla Paiva
Beneficiário:Jan Stanislas Joaquim Billand
Instituição-sede: Instituto de Psicologia (IP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:17/25950-2 - Vulnerabilidades de jovens às IST/HIV e à violência entre parceiros: avaliação de intervenções psicossociais baseadas nos direitos humanos, AP.TEM
Assunto(s):Prevenção   Saúde mental

Resumo

Pesquisas internacionais apontam que as intervenções de promoção da saúde e dos direitos sexuais e reprodutivos mais efetivas são aquelas que buscam transformar as relações e normas de gênero; entretanto, faltam estudos sobre os processos que tornam possíveis tais transformações, em particular no contexto de intervenções em ambientes escolares. Este projeto vincula-se ao temático "Vulnerabilidades de jovens a IST/HIV e à violência entre parceiros: avaliação de intervenções psicossociais baseadas nos direitos humanos" (2017/25950-2) e ao conjunto de atividades previstas para essa vaga na implementação e avaliação de um programa de educação em sexualidade, detalhadas na "informação sobre o processo seletivo", documento anexo a esse projeto. Com base em experiências anteriores com violência por parceiro íntimo (VPI), o bolsista estará ativamente colaborando no desenho da intervenção nesse tema e co-coordenará essa parte da intervenção. Nas escolas de Sorocaba, utilizará os procedimentos e metodologia do projeto e acompanhará a implementação de toda a intervenção. Objetivos. Este projeto se enquadra nos objetivos (1) e (3) do Projeto Temático, que dizem respeito à avaliação do alcance e dos processos pelos quais uma intervenção baseada em uma abordagem psicossocial e multicultural de direitos humanos (1) modificará opiniões e atitudes da comunidade escolar por meio da incorporação de princípios de direitos humanos e da compreensão da construção social de diferentes experiências de juventude relacionadas à sexualidade, violência e prevenção; e (2) afetará a VPI relatada por estudantes participantes, assim como suas crenças e atitudes que se traduzem em racismo e LBGTfobia no cotidiano escolar e as possíveis experiências de sofrimento mental decorrentes. Especificamente, este projeto buscará compreender, na perspectiva da promoção da equidade de gênero, como normas e relações tradicionais de gênero respondem a uma intervenção psicossocial em ambiente escolar e se esse processo contribui para a mitigação da violência sexual por parceiro íntimo e do sofrimento psicossocial associado. Metodologia. O estudo recorrerá centralmente à etnografia e combinará diversos procedimentos: observação participante, entrevistas individuais e coletivas (grupos focais) de alunos, com atenção à representação de entrevistados com diferentes idades, e autoatribuídas raças/cores/etnias, identidades de gênero e orientações sexuais. A seleção dos entrevistados resultará da etnografia e dos conteúdos e perfis expressivos ao longo das sessões de observação participante do processo em geral e especialmente das intervenções previstas no projeto. Entrevistas e observações serão orientadas por roteiros semiestruturados destinados a produzir e registrar narrativas de cenas relevantes em contextos de vida cotidiana e em cenário escolar. Em conformidade com a metodologia de intervenção planejada no âmbito do Projeto Temático, serão realizadas dinâmicas reflexivas que permitirão um trabalho colaborativo de coleta e análise de cenas junto com os participantes das oficinas. A análise dos dados será realizada de forma contínua em colaboração com as miniequipes de cada sítio, articulando o quadro da vulnerabilidade e dos direitos humanos para pensar prevenção e promoção da saúde na perspectiva da equidade de gênero e de uma análise interseccional.Os produtos resultantes da interpretação dos dados coletados contribuirão para relatórios, comunicações em congressos e publicações que tratem do impacto da intervenção, em colaboração com os pesquisadores seniores. Como primeiro autor, publicará especificamente sobre VPI e sofrimento psicossocial em revistas de grande impacto, tanto sobre a intimidade dos processos de mudança de atitudes e práticas e nas cenas cotidianas, como sobre fatores associados à VPI.