Busca avançada
Ano de início
Entree

O apagamento da cultura africana na história de São Paulo - Perspectivas arqueológicas e historiográficas

Processo: 20/08769-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2020
Vigência (Término): 30 de setembro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Arqueologia - Arqueologia Histórica
Pesquisador responsável:André Menezes Strauss
Beneficiário:Laura Lisboa de Freitas
Instituição-sede: Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:17/16451-2 - Histórias indígenas de longa duração: o Brasil pré-colonial pela ótica da antropologia virtual e da arqueogenômica, AP.JP
Assunto(s):São Paulo   Narrativa   Estrôncio

Resumo

O bairro da Liberdade, localizado na região central de São Paulo, é amplamente conhecido por sua referência à cultura e tradições orientais. O investimento de estudos historiográficos na região tornou possível o resgate da memória histórica e desenvolvimentista da região, além de identificar a presença anterior de edificações públicas que demonstraram ser frequentadas por indivíduos pobres, escravizados e marginalizados, evidências de ocupação diferentes da concepção atual.Em 2018, durante um salvamento arqueológico ocorrido em um dos terrenos ocupados do bairro, foi identificado um contexto funerário potencialmente satisfatório para corroborar hipóteses de ocupação da região no século XIX. Foram encontrados nove sepultamentos humanos no sítio relativo ao antigo Cemitério dos Aflitos. Tais evidências podem ser eficazes para apoiar a pressuposição da presença negra no Bairro da Liberdade, todavia análises sistemáticas do material para identificação de informações, em relação à origem e atributos dos indivíduos, ainda não foram realizadas.Desta forma, o presente projeto pretende desempenhar uma análise osteológica do material coletado, objetivando a caracterização do perfil biológico dos esqueletos e a determinação da origem geográfica dos mesmos, a partir da análise de isótopos de estrôncio (87 Sr/ 86 Sr). Partindo desse estudo e correlacionando conhecimentos de arqueologia histórica e arqueologia da diáspora africana, pretende-se interpretar um possível contexto de silenciamento das populações em questão.