Busca avançada
Ano de início
Entree

Perfil inflamatório no uso da glicina em associação com anti-IL17 para efeito preventivo e terapêutico no tratamento da lesão pulmonar aguda induzida por LPS

Processo: 20/06865-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2020
Vigência (Término): 31 de agosto de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Iolanda de Fátima Lopes Calvo Tibério
Beneficiário:Bryan Shinji Haneda Goto
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Pneumologia   Síndrome do desconforto respiratório agudo   Lesão pulmonar aguda   Resposta inflamatória   Perfil inflamatório   Glicina   Modelo experimental   Técnicas histológicas   Imuno-histoquímica

Resumo

A síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA) ou Lesão pulmonar aguda (LPA) é caracterizada por um quadro de insuficiência respiratória aguda, associada a um intenso processo inflamatório e lesão pulmonar. Observamos um intenso recrutamento de células inflamatórias como neutrófilos e macrófagos, que tem um papel fundamental na sua fiosopatologia, com consequente aumento da permeabilidade vascular e colabamento alveolar. Pode ser explicada por múltiplas etiologias e é uma doença que tem um elevado impacto na admissão e mortalidade de pacientes, principalmente na UTI. A mortalidade da SDRA gira em torno dos 40% e é responsável de 10-15% de todas as admissões na UTI. Apesar de existirem diversos estudos sobre a sua fisiopatogenia, há uma grande ausência de terapias específicas e direcionadas para a SDRA. Atualmente, seu tratamento consiste basicamente em terapias de suporte e, por isso, é necessário que sejam buscadas alternativas terapêuticas para essa importante síndrome que possam melhorar o prognóstico desses pacientes. Diante disto, a glicina e a anti-IL17 têm demonstrado serem importantes imunomoduladores, podendo reduzir a resposta inflamatória de neutrófilos e macrófagos. Com isso, reduz-se a produção de citocinas, inflamação e consequentemente a lesão pulmonar aguda. No entanto, não existem estudos associando os dois tratamentos na SDRA. Objetivo: Avaliar e estudar a resposta inflamatória, estresse oxidativo, remodelamento da matriz extracelular e repercursões funcionais com o uso da glicina em associação a anti-IL17, tanto como efeito preventivo quanto terapêutico em um modelo experimental. Material e método: 64 camundondos separados em 8 grupos (n=8): SAL (instilação salina), LPS (instilação de LPS), LPS-GP (instilação de LPS e tratamento com glicina 1h antes), LPS-GT (instilação de LPS e tratamento com glicina 6h depois), LPS-G-aIL017P (instilação de LPS e tratamento com glicina e anti-IL17 1h antes), LPS-G-aIL-17T (instilação de LPS e tratamento com glicina e anti-IL17 6h depois). Protocolo de indução de lesão pulmonar aguda com instilação intra-traqueal de LPS. Tratamento com glicina intraperitoneal de 1mg/kg e tratamento com anti-IL17 por via intraperitoneal e intranasal de 7,5 µg/aplicação, realizados 1h antes da instilação de LPS como efeito preventivo ou 6h depois como tratamento terapêutico. Avaliação da mecânica respiratória, medida do óxido nítrico exalado e fluído do lavado broncoalveolar após 24h do término do protocolo. Análise histológica (fibras elásticas, fibras colágenas) e imunohistoquímica (anti-iNOS, contagem de neutrófilos) das lâminas por meio da técnica de contagem de pontos. Análise estatística utilizando programa SigmaStat.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa: