Busca avançada
Ano de início
Entree

Processos oxidativos avançados baseados na ativação in situ de oxidantes via radiação UVC e solar para a eliminação simultânea de microcontaminantes e patógenos

Processo: 20/07351-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2020
Vigência (Término): 30 de setembro de 2022
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Sanitária - Tratamentos de Águas de Abastecimento e Residuárias
Pesquisador responsável:Marcos Roberto de Vasconcelos Lanza
Beneficiário:Isaac José Sánchez Montes
Instituição-sede: Instituto de Química de São Carlos (IQSC). Universidade de São Paulo (USP). São Carlos , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:17/10118-0 - Estudo e aplicação da tecnologia eletroquímica para a análise e a degradação de interferentes endócrinos: materiais, sensores, processos e divulgação científica, AP.TEM
Assunto(s):Processos oxidativos avançados   Oxidantes   Raios ultravioleta   Radiação solar   Poluentes orgânicos

Resumo

A contaminação de águas superficiais por contaminantes orgânicos emergentes e mais recentemente por bactérias patógenas está chamando cada vez mais a atenção da comunidade científica e da sociedade, a fim de se evitar o risco de doenças e a produção de superbactérias. Neste sentido, este projeto de pós-doutorado visa estudar a ativação in situ de oxidantes (H2O2, S2O82-, HSO5- e HOCl) mediante irradiação do sistema com luz UVC, luz UVA na presença de íons Fe3+ e do complexante ácido etilenodiamina-N,N'-disuccínico (EDDS) para emprego em solução neutras, além da aplicação deste último processo em escala semi-piloto e utilizando radiação solar natural. Estes processos serão empregados para a eliminação simultânea de um desregulador endócrino, um antibiótico e um defensivo agrícola, além das bactérias Escherichia coli, Salmonella typhimurium e Bacillus subtilis. A performance dos processos será monitorada pelo decaimento das concentrações dos orgânicos e das bactérias, assim como dos subprodutos e íons inorgânicos formados e do monitoramento do possível recrescimento bacteriano. Ensaios com sequestradores e espectroscopia de ressonância paramagnética eletrônica ajudarão a elucidar os radicais formados, e.g., HOÏ, SO4Ï- ou ClÏ e os principais mecanismos de oxidação. (AU)