Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos do treinamento associado a hipóxia de recuperação e do polimento sobre parâmetros hematológicos, autonômicos, aeróbios e anaeróbios de corredores amadores

Processo: 20/04703-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2020
Situação:Interrompido
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Pesquisador responsável:Marcelo Papoti
Beneficiário:Germano Marcolino Putti
Instituição-sede: Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto (EEFERP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Fisiologia do exercício   Corridas   Hipóxia   Composição corporal   Variabilidade da frequência cardíaca   Coeficiente de correlação de Pearson   Análise de variância   Teste de Tukey

Resumo

Dado as diversas formas de uso da hipóxia como recurso ergogênico e os diferentes resultados encontrados na literatura, o presente estudo tem como objetivo comparar os efeitos do treinamento intervalado intensivo associado a hipóxia de recuperaçãos (FiO2=13%) ao mesmo treino realizado exclusivamente em normóxia. Os participantes (n=26) serão divididos em grupo normóxia (GN, com esforços e recuperações em normóxia) e treinamento associado a hipóxia de recuperação (GRH, com esforços em normóxia e recuperações em hipóxia). As sessões de treinamento terão frequência de 3.semana-1 e serão compostas de 10 esforços de 1 minuto a 120% da velocidade de VO2máx (vVO2máx), com 2 minutos de recuperação entre cada esforço. Antes e após 6 semanas de treinamento e uma após uma semana de polimento os participantes serão submetidos a testes para análise de composição corporal (DEXA), teste incremental para determinação de consumo máximo de oxigênio (VO2máx), vVO2máx e limiar anaeróbio, máximo déficit acumulado de oxigênio alternativo (MAODal) e hemograma, analisando células vermelhas (RBC), hematócrito (Hct) e hemoglobina (Hb). Também será avaliada a resposta autonômica à recuperação em hipóxia de forma aguda, através da variabilidade da frequência cardíaca medida na primeira sessão de cada semana. A normalidade e homogeneidade dos dados serão confirmadas com os testes de Shapiro-Wilk e Levene respectivamente. As diferentes condições de treinamento serão comparadas por meio da análise de variância ANOVA Two-way seguida, quando necessário de teste post hoc de Tukey. As possíveis alterações das variáveis serão verificadas com o teste de correlação de Pearson. Em todos os casos o nível de significância será pré-fixado em p < 0,05.