Busca avançada
Ano de início
Entree

Associação entre infecção por arboviroses e encefalites autoimunes

Processo: 20/07140-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2020
Vigência (Término): 31 de agosto de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Livia Almeida Dutra
Beneficiário:Bruna de Freitas Dias
Instituição-sede: Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein (IIEPAE). Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein (SBIBAE). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Febre de Chikungunya   Dengue   Vírus Zika   Neurologia   Encefalite   Doenças autoimunes   Estudos multicêntricos   Imuno-histoquímica   Reação em cadeia da polimerase em tempo real

Resumo

A encefalite autoimune (EAI) é a principal causa de encefalite não infecciosa e resulta de resposta imune periférica contra antígenos do sistema nervoso central (SNC), com produção de autoanticorpos direcionados contra antígenos da superfície celular. As manifestações clínicas das EAI são variadas e incluem queixas cognitivas, alterações comportamentais como psicose, apatia e catatonia; distúrbios do movimento, epilepsia, diarreia, polineuropatia, distúrbios do sono e da ventilação de instalação aguda ou subaguda. São considerados como gatilhos para as EAI alguns tumores (mama, timoma, pulmão, ovário) e infecções virais do SNC. Alguns vírus neurotrópicos, como os da família herpes, podem desencadear a produção de anticorpos antineuronais. As arboviroses, representadas no Brasil pelos vírus Zika (ZIKV), Dengue (DENGV) e Chikungunya (CHIKV), também são infecções neurotrópicas e cursam com manifestações neurológicas tais como mielite, encefalite, neurite craniana e polineurradiculoneurite aguda como a síndrome de Guillain Barré. O mecanismo fisiopatológico de tais manifestações é desconhecido. Objetivo: verificar a associação entre EAI e arboviroses na população brasileira. Métodos: O projeto atual é um braço do projeto em andamento denominado "Encefalites autoimunes no Brasil: descrição clínica, desenvolvimento de plataformas metodológicas inovadoras e avaliação de triggers virais". Trata-se de um estudo multicêntrico constituído por dois braços: o primeiro visa a estudar os casos de encefalites autoimunes no Brasil, com suas características, clínicas e permitindo a formação de uma rede de pesquisadores em encefalites autoimunes. O segundo visa a verificar a associação entre anticorpos contra vírus da família herpes e arboviroses (CHIK, DENG e ZIK) em pacientes com encefalite autoimune. A solicitação de bolsa para a aluna se refere ao braço do estudo voltado para a associação entre arboviroses e encefalites autoimunes.Pacientes com suspeita de EAI que preencham os critérios para encefalite autoimune provável avaliados nos 18 centros que compõem a rede BrAIN (Brazilian Autoimmune Encephalitis Network) serão incluídos. Dados clínicos, epidemiológicos e laboratoriais serão compilados e comparados utilizando os testes de Mann-Whitney, T de Student e do qui-quadrado. Os anticorpos antineuronais serão detectados utilizando técnicas de imunohistoquímica em cérebro de rato, seguido por cell based assay (CBA) e imunoblot em amostras de soro e liquor cefalorraquidiano (LCR). Também serão realizados PCR (Polymerase Chain Reaction), PCR-RT, (Real-time Polymerase Chain Reaction) e ELISA (Enzyme-Linked Immunosorbent Assay) para detecção de anticorpos contra ZIKV, DENGV e CHIKV. Curvas de Kaplan-Meyer e testes log serão calculados. Será considerado significante p<0,05.