Busca avançada
Ano de início
Entree

Fatores hormonais, nutricionais e inflamatórios e a modulação de microRNAs associados a falhas da respostas anti-inflamatória colinérgica na Obesidade

Processo: 20/07257-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2020
Vigência (Término): 31 de julho de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Marcio Alberto Torsoni
Beneficiário:Laís Angélica de Paula Simino
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Limeira , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/07607-8 - CMPO - Centro Multidisciplinar de Pesquisa em Obesidade e Doenças Associadas, AP.CEPID
Assunto(s):Hipotálamo   Inflamação   MicroRNAs   Obesidade

Resumo

A causa fundamental da obesidade é o desbalanço entre as calorias ingeridas e a energia dispendida e a regulação desse balanço energético é realizada, principalmente, pelo núcleo arqueado (ARC) hipotalâmico e suas populações de neurônios orexigênicos e anorexigênicos. Os receptores colinérgicos do tipo nicotínico desempenham papel um papel importante nesse processo, pois alteram a excitabilidade neuronal, favorecendo a secreção de neurotransmissores. O receptor nicotínico de aceticolina do tipo a7 (a7nAChR), quando ativado pela acetilcolina, inibe a produção de citocinas inflamatórias. Além disso, estudos recentes têm correlacionado a modulação desse receptor com o desenvolvimento de hiperfagia e obesidade, já que o consumo de dieta hiperlipídica leva à diminuição na expressão de a7nAchR, enquanto sua ativação leva a alterações na resposta à ingestão alimentar. Porém, os mecanismos pelos quais os receptores a7nAChR encontram-se diferencialmente expressos em modelos como os de obesidade ou consumo de dietas obesogênicas ainda não são conhecidos, mas a modulação de fatores epigenéticos parece exercer papel importante nesse fenômeno. Sendo assim, nossa hipótese é que estímulos como os fatores hormonais, nutricionais e pró-inflamatórios, que permeiam a gênese da obesidade, podem estar envolvidos com a modulação de mecanismos epigenéticos, como a expressão de microRNAs, alterando a expressão e ativação do receptor a7nAChR no hipotálamo e levando à modulação da expressão de neuropeptídios que regulam a homeostasia energética, contribuindo, assim, para o desenvolvimento de obesidade e doenças metabólicas. (AU)