Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de prótese customizada de mandíbula produzida por manufatura aditiva e funcionalizada para entrega de fármacos in situ

Processo: 20/05612-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2020
Vigência (Término): 31 de outubro de 2022
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Biomédica - Bioengenharia
Pesquisador responsável:Rubens Maciel Filho
Beneficiário:Guilherme Arthur Longhitano
Instituição-sede: Faculdade de Engenharia Química (FEQ). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/20630-4 - Desenvolvimento integrado de biorrefinaria e planta de bioetanol de cana-de-açúcar com emissão zero de CO2: rotas para converter recursos renováveis em bioprodutos e bioeletricidade, AP.TEM
Assunto(s):Estruturas celulares   Funcionalização   Impressão tridimensional   Biomateriais

Resumo

A técnica de manufatura aditiva, integrada às técnicas de obtenção de imagens médicas, tornou possível a obtenção de biomodelos físicos e implantes personalizados. A técnica também é capaz de produzir estruturas complexas, como estruturas celulares, utilizando como matéria-prima biomateriais metálicos, como a liga Ti-6Al-4V. Dessa forma, uma melhor conformidade da rigidez do implante com a do osso é obtida, contornando o processo de reabsorção óssea e promovendo uma adaptação mais rápida e duradoura. A liga Ti-6Al-4V pode também ter sua superfície modificada através da técnica de anodização. Como resultado, funcionalizações por melhora de resistência à corrosão, incorporação de íons benéficos e dopagem com fármacos para liberação in situ se tornam possíveis. A combinação dessas técnicas resulta na redução dos riscos de cirurgia, recuperação mais rápida do paciente, maior durabilidade do implante, melhores resultados estéticos e ergonômicos e, principalmente, na melhora na qualidade de vida do paciente.Este projeto tem como objetivo a produção de um implante de mandíbula de Ti-6Al-4V com estrutura celular funcionalizada. Para tal, serão produzidas amostras porosas de Ti-6Al-4V por manufatura aditiva de metais. Essas amostras serão funcionalizadas através da técnica de anodização eletroquímica, criando superfícies com nanoestruturas incorporadas com íons de flúor. As nanoestruturas serão então dopadas com fármacos, visando a entrega in situ. Por fim, um implante de mandíbula será projetado, produzido e funcionalizado.Este projeto está vinculado ao INCT de Biofabricação apresentado no âmbito da chamada INCT - MCTI/CNPq/CAPES/FAPs nº 16/2014, ao projeto de pesquisa temático FAPESP 2015/20630-4 e ao projeto de pesquisa FAPESP-FAPERGS 2019/15441-9. Ademais, este projeto conta com a colaboração do Núcleo de Tecnologias Tridimensionais do Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer.