Busca avançada
Ano de início
Entree

O uso na vida real de emplastro de lidocaína 5% na dor neuropática: um estudo institucional aprovado com a proposta de aumentar o acesso medicamentoso nos serviços públicos

Processo: 20/04768-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2020
Vigência (Término): 31 de agosto de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Daniel Ciampi Araujo de Andrade
Beneficiário:Carolina Campos dos Santos
Instituição-sede: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Neurologia   Farmacoeconomia   Dor neuropática   Lidocaína   Tratamento farmacológico   Inquéritos e questionários   Estudos prospectivos

Resumo

Trata-se de um estudo prospectivo aberto com um único braço baseado nos resultados mensurados de 60 pacientes (com possibilidade em ampliar o número amostral) por meio dos questionários validados Brief Pain Inventory (BPI); Douleur Neuropathique-4 Question (DN-4); Neuropathic Pain Symptom Inventory (NPSI); Euro-QoL (EQ5D); InsomniaSeverity Index (ISI); Multidimensional Fatigue Symptom InventoryShort Form (MFSISF). A hipótese do estudo é que o emplastro de lidocaína administrado como um adicional ao tratamento farmacológico usual para polineuropatias dolorosas (inibidores seletivos da recaptação de serotonina ou de noradrenalina, antidepressivos ou tricíclicos) reduz a intensidade da dor e alivia o impacto negativo da dor na qualidade de vida destes pacientes. Método: os pacientes incluídos serão divididos em dois grupos: dor espontânea e contínua e dor não espontânea e não contínua. Todos receberão emplastro de Lidocaína a 5% cuja dose será aumentada até a máxima tolerada pelo paciente no período de 3 semanas. A dose fixa máxima tolerada será usada durante 6 meses. Todos os pacientes serão acompanhados pelo período de mais 6 meses após a interrupção do uso do emplastro. Objetivo Primário: Avaliar o efeito analgésico da administração do emplastro de Lidocaína 5% como um adjuvante aos antidepressivos (tricíclicos ou inibidores seletivos da recaptação de serotonina e noradrenalina) e opióides na dor neuropática periférica, usando a Escala Visual Analógica nos respondedores ao tratamento de uma semana (definidos pela redução de 30% na intensidade da dor na baseline) objetivo secundário: comparar a interferência da dor nas atividades de vida diária, qualidade de vida e com a medicação analgésica em uso; avaliar o perfil de segurança do tratamento; avaliar o efeito do tratamento em diferentes síndromes neuropáticas dolorosas mensurados pelo Neuropathic Pain Symptom Inventory (NPSI) avaliar o impacto na farmacoeconomia com o uso da lidocaína em pacientes com dor neuropática crônica no cenário "vida real".

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa: