Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de nanovacinas SAPN contra SARS-Cov-2 utilizando os antígenos estruturais S e N

Processo: 20/10700-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2020
Vigência (Término): 30 de abril de 2022
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Pesquisador responsável:Luis Carlos de Souza Ferreira
Beneficiário:Marianna Teixeira de Pinho Favaro
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:20/05204-7 - Desenvolvimento de nanovacinas proteicas que se auto-estruturam contra SARS-CoV-2, AP.R
Assunto(s):Desenvolvimento de vacinas   Nanovacinas   Self-assembling protein nanoparticles   Pandemias   COVID-19   Infecções por Coronavirus   Coronavirus da síndrome respiratória aguda grave 2

Resumo

A pandemia atual de SARS-CoV-2 atingiu a marca de 20 milhões de infectados em sete meses, e demanda esforços imediatos e assertivos visando sua contenção. As vacinas de subunidade aqui proposta utilizarão a tecnologia SAPN (self-assembling protien nanoparticles), e estão formuladas com fragmentos altamente imunogênicos de proteínas estruturais, mais especificamente S e N (Spike e Nucleocapsídeo, respectivamente). As nanovacinas resultantes deste design serão produzidas em E. coli e purificadas por uma combinação de técnicas cromatográficas, e uma vez obtidas serão otimizadas quanto a sua estabilidade e tamanho. As nanovacinas serão então administradas em camundongos C57BL6 por diferentes vias (intramuscular e subcutânea), para posterior acompanhamento das respostas imunológicas humorais induzidas. A quantificação de anticorpos será feita por ELISA, e a validação da capacidade de neutralização dos mesmos será feita por PRNT, o que permitirá seguir para um modelo de desafio em animais suscetíveis ao SARS-CoV-2. A pesquisadora PD ficará responsável por desenvolver e otimizar a obtenção das nanovacinas, garantir o controle de qualidade e adequada caracterização das nanopartículas, e conduzir as etapas in vivo e de avaliação da resposta de anticorpos e desafio. Os resultados obtidos devem contribuir significativamente para geração de novos antígenos vacinais contra COVID-19, bem como para o desenvolvimento de uma nova estratégia vacinal com potencial de ampla aplicação.