Busca avançada
Ano de início
Entree

Suporte técnico para auxílio na validação de alvos, por análise de biologia molecular e análise in silico, provenientes dos resultados obtidos para o tumor adrenocortical pediátrico (TAC); e suporte na rotina laboratorial

Processo: 20/04850-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de novembro de 2020
Vigência (Término): 31 de agosto de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Pesquisador responsável:Luiz Gonzaga Tone
Beneficiário:Carolina Alves Pereira Corrêa
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:14/20341-0 - Interação entre alvos terapêuticos emergentes e vias de desenvolvimento associadas à tumorigênese: ênfase em neoplasias da criança e do adolescente, AP.TEM
Assunto(s):Biologia molecular   Câncer infantil   Carcinoma adrenocortical   Análise in silico   Incidência   Técnicas e procedimentos de laboratório

Resumo

Os TAC pediátricos são raros, representando 0,2% de todos os tumores infantis, uma incidência mundial de 0,3 casos por milhão de crianças por ano (ELSE; KIM; SABOLCH; RAYMOND et al., 2014), e apresentando um pico antes dos 5 anos de idade e outro após os 10 anos. Atingem mais meninas do que meninos e a taxa de sobrevida global em 5 anos após o diagnóstico fica entre 54% e 77% (MICHALKIEWICZ; SANDRINI; FIGUEIREDO; MIRANDA et al., 2004). Uma exceção ocorre na região Sul/Sudeste do Brasil, que apresenta uma incidência de 3,4 a 4,2 por milhão de crianças com menos de 15 anos (RIBEIRO; FIGUEIREDO, 2004; SANDRINI; RIBEIRO; DELACERDA, 1997), ou seja, uma incidência 10-15 vezes maior. Essa alta incidência é possivelmente relacionada a uma mutação germinativa no gene TP53, comum nessa população. O tratamento atual utilizado para esses pacientes não tem efeitos satisfatórios (BERRUTI; TERZOLO; PIA; ANGELI et al., 1998; RODRIGUEZ-GALINDO; FIGUEIREDO; ZAMBETTI; RIBEIRO, 2005; ZANCANELLA; PIANOVSKI; OLIVEIRA; FERMAN et al., 2006); e a classificação dos tumores mais utilizada até o momento é feita por estadiamento, que também não é completa na determinação do prognóstico (TUCCI; MARTINS; SUAID; COLOGNA et al., 2005). Assim, o nosso laboratório propôs um sequenciamento em larga escala de amostras de pacientes pediátricos com TAC e com outros dois tumores embrionários também, meduloblastoma e ependimoma, para melhor entender o comportamento e biologia desses tumores; que são tão pouco estudados. As análises desses dados já estão sendo realizadas por ferramentas de bioinformática pelo grupo. Muitos alvos interessantes já foram encontrados, e é necessário um suporte para a validação desses dados que estão sendo gerados, para otimizar os resultados. Somado a essas validações, um grande número de atividades laboratoriais rotineiras precisa ser realizada para dar suporte ao andamento do projeto temático em questão, como realização de técnicas de biologia molecular e preparo de reagentes, o que possibilitou a criação desse auxílio técnico. O objetivo dessa bolsa de treinamento técnico, portanto, é auxiliar nas validações dos alvos gerados a partir do RNA-seq para o TAC, além de participar da rotina laboratorial como um todo, dando suporte na manutenção de reagentes, controle de estoque, coleta e processamento de amostras e outras atividades que possam ser necessárias. (AU)