Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise da densidade mineral óssea em idosos da comunidade com Doença de Alzheimer e cognitivamente preservados

Processo: 20/02441-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2021
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Stela Márcia Mattiello
Beneficiário:Stéfany Gomes da Silva
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Doença de Alzheimer   Osteoporose   Densidade óssea   Reabsorção óssea   Transição epidemiológica   Idosos   Absorciometria de fóton   Estudos transversais

Resumo

A transição demográfica e epidemiológica culminou em uma população majoritariamente idosa e, consequentemente, em elevados índices de doenças crônicas não transmissíveis, como a osteoporose e a doença de Alzheimer (DA). Existe um elo entre menores taxas de Densidade Mineral Óssea (DMO) e desenvolvimento da DA, além deste distúrbio neurodegenerativo ser um fator de risco para o desenvolvimento da osteoporose e vice-versa. Muito embora esteja descrito na literatura que ambas as doenças podem estar correlacionadas, pouco se sabe sobre os mecanismos que determinam essa relação. Objetivo: Este estudo tem como objetivo comparar a composição mineral óssea total, lombar e do fêmur esquerdo entre idosos com cognição preservada (CP) e idosos com DA, além de analisar se a relação entre as duas doenças é influenciada pela DMO. Metodologia: Trata-se de um estudo transversal em que serão recrutados 64 participantes CP e 64 com DA nas fases leve e moderada, totalizando 128 participantes de ambos os sexos e com 65 anos ou mais. Os participantes terão sua composição mineral óssea analisada através do aparelho de Absorciometria de Raios-X de Dupla Energia (DEXA). Também serão aplicados Mini Exame do Estado Mental (MEEM), Avaliação Clínica de Demência (CDR), Escala de Depressão Geriátrica (GDS) e Escala de Pfeffer. A análise dos dados será realizada através do Software SPSS 2.2. Para avaliar a normalidade e homogeneidade de variâncias serão utilizados os testes Kolmogorov-Smirnov e Levene, respectivamente. O teste-t independente avaliará a comparação entre os grupos para variáveis dependentes, enquanto o teste Qui-Quadrado de associação avaliará a comparação para as variáveis categóricas. A correlação entre DMO e DA será analisada através do teste de correlação de Pearson. Será adotado para todas as análises um nível de significância de 5%. Resultados esperados: Acredita-se que idosos com DA apresentarão redução da DMO quando comparados a idosos CP, bem como que existe correlação entre baixa DMO e DA, com maior intensidade quanto maior a gravidade do estadiamento da DA.