Busca avançada
Ano de início
Entree

Trabalho em tempos de pandemia: experiências de entregadores de plataformas digitais

Processo: 20/10259-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2020
Vigência (Término): 31 de outubro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Psicologia Social
Pesquisador responsável:Laura Camara Lima
Beneficiário:Beatriz Vieira de Castro Ferreira
Instituição-sede: Instituto de Saúde e Sociedade (ISS). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Baixada Santista. Santos , SP, Brasil
Assunto(s):Plataformas digitais   Entregadores   Motoristas   Precarização do trabalho   Fatores psicossociais   Saúde do trabalhador   Saúde mental   COVID-19

Resumo

As empresas-aplicativo de entregas tornaram-se agentes indispensáveis nas dinâmicas dos grandes centros urbanos e, diante da pandemia da COVID-19, a atuação dos entregadores vinculados a elas foi classificada como serviço essencial. Estudos recentes apontam um crescimento expressivo do número de motoristas e entregadores vinculados a aplicativos, o aumento no número de horas trabalhadas e uma diminuição da remuneração dos entregadores, o que ressalta o caráter cada vez mais precário que essa forma de trabalho tem apresentado. A literatura indica que houve um aumento no desenvolvimento de psicopatologias relacionadas à subsunção dos trabalhadores a relações precárias de trabalho, porém as pesquisas ainda são escassas no enfoque aos entregadores de aplicativo e seus aspectos subjetivos. Diante disso, a pesquisa se propõe a investigar os impactos na saúde mental desses trabalhadores frente a essa nova forma de organização do trabalho e as reverberações que dela surgem agravadas pela pandemia da COVID-19 por meio de um estudo exploratório e qualitativo-compreensivo. A coleta de dados se dará por meio de entrevistas semiestruturadas com trabalhadores vinculados a aplicativos, realizadas através de vídeo-chamadas. As entrevistas serão transcritas e serão realizadas análises semânticas, destacando palavras-chave e categorias de interesse, e análises pragmáticas, por meio do programa Alceste, destacando as relações intergrupais e os jogos de força que o discurso dos sujeitos revela. Os resultados servirão para fundamentar ações terapêuticas de profissionais da saúde da área de saúde do trabalhador e inspirar e subsidiar políticas públicas que deem conta do sofrimento psicossocial dessa categoria de trabalhadores.