Busca avançada
Ano de início
Entree

Correlação entre modulação autonômica cardíaca e performance no treinamento resistido excêntrico associado à restrição de fluxo sanguíneo: um ensaio clínico controlado randomizado

Processo: 20/09419-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2020
Vigência (Término): 30 de novembro de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Franciele Marques Vanderlei
Beneficiário:Igor Fernandes Santos
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente , SP, Brasil
Assunto(s):Fisioterapia   Sistema nervoso autônomo   Hipertrofia muscular   Treinamento de força   Modulação autonômica cardíaca   Eficiência   Coeficiente de correlação de Pearson   Ensaio clínico controlado aleatório

Resumo

Sabe-se que o treinamento resistido (TR) associado a restrição parcial de fluxo sanguíneo (RFS) apresenta excelentes resultados em ganho de força e hipertrofia muscular. Porém, não se tem dados que avaliem a adaptação do sistema nervoso autônomo (SNA) à longo prazo e a sua influência na performance em resposta a diferentes intensidades de TR associado a RFS. Objetivo: realizar um monitoramento sistemático dos resultados autonômicos durante treinamento resistido excêntrico (TRE) com RFS em diferentes intensidades e correlacioná-los com as possíveis mudanças na performance. Métodos: trata-se de um ensaio clínico randomizado controlado. O estudo será composto por 56 indivíduos saudáveis do sexo masculino com idade entre 18 e 35 anos. Os voluntários serão submetidos ao TRE do músculo quadríceps da perna dominante três vezes por semana, durante seis semanas, totalizando 18 sessões. O processo de randomização será realizado por um pesquisador externo, sendo os voluntários alocados em um dos grupos: 40% do pico de torque (PT) com RFS, 40% do PT sem RFS, 80% do PT com RFS, 80% do PT sem RFS. A periodização da carga será definida a partir do PT excêntrico do joelho avaliado no dinamômetro isocinético e a RFS será de 40% da oclusão total da artéria tibial posterior. Os desfechos de performance (força muscular por meio do PT isométrico, concêntrico e excêntrico do dinamômetro isocinético e teste funcional "Single Leg Hop Test") serão avaliados uma semana antes, na quarta semana e uma semana após o fim do programa de treinamento e os desfechos autonômicos (índices vagais da variabilidade da frequência cardíaca [VFC] - rMSSD, HF e SD1) serão avaliados diariamente por 15 minutos na posição sentada antes e após o término de cada sessão. Será utilizado o método estatístico descritivo e as correlações entre os desfechos serão realizadas por meio do teste de correlação de Pearson ou Spearman de acordo com a normalidade dos dados. Toda a análise estatística assumirá o nível de significância de 5%.