Busca avançada
Ano de início
Entree

Habitação coletiva, forma urbana e avaliação

Processo: 20/11918-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2020
Vigência (Término): 30 de novembro de 2022
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Arquitetura e Urbanismo - Fundamentos de Arquitetura e Urbanismo
Pesquisador responsável:Leandro Silva Medrano
Beneficiário:Marcos Leite Rosa
Instituição-sede: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/22704-8 - Arquitetura e urbanismo frente ao espaço social no Século 21: estratégias de segregação e táticas de apropriação, AP.TEM
Assunto(s):Crítica   Desenho urbano   Habitação coletiva   Habitação social

Resumo

Recentemente no Brasil, a maior parte da produção habitacional está relacionada principalmente aos resultados da primeira e segunda fases do Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV), lançado pelo Governo Federal em 2009 e 2011, respectivamente. Nos últimos anos, o aumento da construção habitacional no país gerou preocupações, uma vez que não se priorizou a qualidade dos empreendimentos, bem como sua integração urbana, fato que tem gerado diversas críticas na literatura especializada. Nesse contexto, os problemas relacionados à habitação coletiva no Brasil apontam para a necessidade de repensar os modos dominantes de configurações espaciais, como oportunidade de intervenção no espaço urbano, de forma a equilibrar a realidade social, política e econômica envolvida, sua produção e uso. Assim, esta pesquisa tem como objetivo mapear e analisar projetos de habitação coletiva, no cenário nacional, que apresentem soluções alternativas para a tendência de segregação habitacional, que historicamente tem sido seguida no país. Estes projetos serão confrontados com projetos habitacionais de Madrid, como contraponto, de forma a identificar a existência de convergências teórico-metodológicas entre eles. Portanto, este estudo deve indicar novas perspectivas e paradigmas disciplinares para a compreensão e intervenção nas atuais cidades brasileiras, contribuindo para o aprimoramento da arquitetura habitacional, seus espaços urbanos e para a superação de problemas estruturais. (AU)