Busca avançada
Ano de início
Entree

A importância do padrão de coloração de Morpho helenor (Nymphalidae: Morphinae) na redução da predação por aves: uma abordagem experimental

Processo: 20/06756-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2020
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2022
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia
Pesquisador responsável:Paulo Sergio Moreira Carvalho de Oliveira
Beneficiário:Aline Vieira e Silva
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Ecologia comportamental   Evolução animal   Dinâmica de populações   Predação   Coloração   Aves   Borboletas

Resumo

A interação entre um predador e sua presa vai muito além do efeito na dinâmica populacional desses animais. Predadores exercem uma forte pressão seletiva que pode favorecer a evolução de mecanismos de defesa em suas presas. Muitos desses mecanismos de defesa envolvem o padrão de coloração. As borboletas são um grupo que se destaca dentre os estudos de padrões de coloração, pois apresentam uma enorme diversidade de cores em suas asas, utilizando estes mecanismos de forma distinta na defesa contra seus principais predadores, as aves. Um mecanismo anti-predação associado ao padrão de coloração - a coloração dinâmica - foi sugerido, mas ainda não testado na natureza. A hipótese de coloração dinâmica sugere que animais com coloração críptica que expõe subitamente uma coloração conspícua durante movimento reduzem a probabilidade de serem predados ao enganarem seus predadores durante uma perseguição. Borboletas do gênero Morpho apresentam um padrão contrastante entre a face dorsal de suas asas, que é azul, e a face ventral, que é marrom. Assim, durante o voo, o azul aparece e desaparece constantemente com o abrir e fechar das asas. O objetivo desse trabalho é testar se o padrão de coloração encontrado em borboletas da espécie Morpho helenor, que varia dinamicamente durante o voo, reduz a predação por aves. Para estudar essa hipótese, faremos dois experimentos com o intuito de modificar esse padrão de coloração, anulando a diferença contrastante entre a face ventral e dorsal das asas dessa borboleta. Nossa hipótese é que, em ambos experimentos, os indivíduos com o padrão de coloração alterado sofrerão maior pressão de predação. (AU)