Busca avançada
Ano de início
Entree

Mudanças no armazenamento de carbono em profundidades médias do Atlântico Sul durante a penúltima terminação glacial e o Antropoceno

Processo: 20/11452-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2020
Vigência (Término): 30 de novembro de 2022
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Oceanografia - Oceanografia Geológica
Pesquisador responsável:Cristiano Mazur Chiessi
Beneficiário:Bruna Borba Dias
Instituição-sede: Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:18/15123-4 - Perspectivas pretéritas sobre limiares críticos do sistema climático: a Floresta Amazônica e a célula de revolvimento meridional do Atlântico (PPTEAM), AP.PFPMCG.JP2
Assunto(s):Atlântico Sul

Resumo

Acredita-se que as mudanças na Célula de Revolvimento Meridional do Atlântico Sul (CRMA) desempenham um papel importante no ciclo do carbono regulando os níveis de dióxido de carbono (CO2) atmosférico e o estoque de carbono nos oceanos particularmente durante as terminações glaciais. Durante o início das terminações glaciais, a CRMA esteve substancialmente enfraquecida e as profundidades médias do Atlântico apresentaram ventilação reduzida, processo que favoreceu o estoque de carbono previamente à retomada do modo interglacial da CRMA. Apesar dos esforços já dispendidos no entendimento do controle da CRMA sobre o armazenamento de carbono em profundidades médias, esta relação ainda é pouco conhecida para períodos além da última terminação glacial. Novos registros sedimentológicos envolvendo terminações glaciais pretéritas são necessários para a elucidação do exato momento de reativação da circulação profunda e variações no estoque de carbono. Para tanto, propomos analisar isótopos estáveis de carbono e oxigênio (13C e 18O) e isótopos radiogênicos de neodímio (Nd) em foraminíferos a fim de (i) calibrar um traçador de circulação profunda com base em amostras pré-industriais e do Antropoceno, e (ii) reconstituir a circulação profunda na margem continental brasileira durante a penúltima terminação glacial. Este projeto permitirá não somente a validação de traçadores de paleocirculação, mas também fornecerá reconstruções com controle de idades precisos para o entendimento do momento de recuperação da CRMA e as relações com as mudanças no estoque de carbono e os níveis de CO2 atmosférico durante a penúltima deglaciação.