Busca avançada
Ano de início
Entree

O conflito Etiópia-Eritréia e o acordo de 2018: uma análise com base nas mudanças de política externa

Processo: 20/13028-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2021
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Ciência Política - Política Internacional
Pesquisador responsável:Sérgio Luiz Cruz Aguilar
Beneficiário:Caroline Feire de Aquino
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Marília. Marília , SP, Brasil
Assunto(s):Política externa   Organização das Nações Unidas (ONU)   Segurança internacional   Conflitos políticos   Análise do discurso   Eritreia   Etiópia

Resumo

O conflito entre a Eritreia e a Etiópia passou por diversas fases ao longo dos anos. A implementação de um tratado de paz falho que inflamou as questões reivindicadas prolongou o combate pelos primeiros 18 anos do século XXI. A elaboração das ações acordadas foram impossibilitadas pelo relacionamento tempestuoso entre suas lideranças políticas, envolvendo toda a região em uma espécie de Guerra Fria sem paz ou resolução eficaz. Em 2018, o Primeiro-Ministro etíope, Abiy Ahmed Ali, contando com uma dinâmica interna positiva e possuindo prestígio regional, foi capaz de renovar o posicionamento da Etiópia frente as questões pendentes do Acordo de Argel e garantir espaço de comunicação entre os dois países, de modo a resolver o conflito com a Eritreia. O entendimento acerca da relação entre esses Estados, as motivações dos conflitos e as políticas decorrente dos desentendimentos são apresentadas com o objetivo de entender a raiz das perturbações capazes de desarticular toda a região do Chifre da África por mais de 30 anos. O propósito fundamental é compreender como a mudança de postura quanto a política externa da Etiópia foi capaz de intervir no conflito, resultando na assinatura do tratado. Para alcançar essa proposta, a pesquisa se desenvolverá através da análise da guerra e do Tratado de Argel, assim como pela verificação dos fatores que impediram a resolução, e através da Análise de Política Externa, será estudado o processo de paz guiado pelo Primeiro-Ministro etíope, Abiy Ahmed.