Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito de diferentes protocolos de acabamento e polimentos intraorais na resistência flexural em cerâmicas odontológicas: estudo in vitro

Processo: 20/11063-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2020
Vigência (Término): 30 de novembro de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Clínica Odontológica
Pesquisador responsável:Wirley Goncalves Assuncao
Beneficiário:Lillian Kerollyn Melcher de Souza
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FOA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araçatuba. Araçatuba , SP, Brasil
Assunto(s):Prótese dentária   Resistência à flexão   Ciclagem térmica (odontologia)   Aderência bacteriana   Microscopia eletrônica de transmissão   Técnicas in vitro

Resumo

O objetivo deste trabalho é avaliar a influência do envelhecimento e de diferentes protocolos de ajuste e polimento intraorais em superfícies de diferentes materiais cerâmicos (dissilicato de lítio (IPS e.max CAD - Ivoclar Vivadent®), resina nanocerâmica (LAVA" Ultimate Restorative System - 3M ESPE) e zircônia (VITA In-Ceram® YZ, VITA) quanto suas características de superfície, rugosidade e resistência flexural antes e após envelhecimento. Os blocos dos materiais serão cortados para obtenção quatrocentos e oitenta espécimes de tamanho 16 x 3 x 1 mm, sendo que metade destes serão envelhecidos em água destilada por meio da termociclagem (5000 ciclos), entre 5°C e 55° C, a cada 10 segundos por 30 segundos. Serão analisados quatro protocolos de desgaste: Desgaste com ponta diamantada montada em instrumento de alta rotação com/sem refrigeração e desgaste com ponta diamantada montada em instrumento contra-ângulo multiplicador com/sem refrigeração. Os protocolos de polimento analisados serão: Instruções do fabricante; Glaze; com polimento; sem polimento. Todos os grupos terão suas superfícies analisadas por meio de microscopia eletrônica de superfície (MEV), rugosidade e resistência mecânica pelo teste de flexão. Os espécimes envelhecidos e do grupo controle serão submetidos ao teste de flexão em uma máquina de ensaios universal (EMIC) utilizando o módulo de ruptura com velocidade constante de 0,5 mm / min até a fratura ser detectada. Os dados quantitativos serão coletados e submetidos à curva de normalidade para determinação do teste mais adequado seguido do pós-teste indicado, considerando nível de significância 0,05.