Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da progressão meiótica de oócitos bovinos suplementados com glicoproteína 1 de oviduto (OVGP1) durante as quatro e seis horas finais da maturação in vitro

Processo: 20/09778-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2020
Vigência (Término): 31 de agosto de 2021
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Reprodução Animal
Pesquisador responsável:Sheila Merlo Garcia Firetti
Beneficiário:Jaqueline Aparecida Andrelo de Lima
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias. Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente , SP, Brasil
Assunto(s):Proteínas   Glicoproteínas   Prófase meiótica I   Oócitos   Maturação in vitro   Teste de Tukey   Técnicas in vitro

Resumo

O desenvolvimento de alternativas para otimizar a produtividade do rebanho é o desafio atual dos pesquisadores. A produção in vitro de embriões surge como uma principal ferramenta que necessita de gametas viáveis e de qualidade para que se tenha sucesso. Diante disso, esta proposta tem como objetivo estudar a qualidade de maturação in vitro de oócitos com diferentes tempos de suplementação com glicoproteína 1 de oviduto (OVGP1), através da progressão nuclear, de oócitos oriundos de ovários de fêmeas de abatedouro, e determinar o tempo de suplementação que indicará maior viabilidade para o procedimento de maturação in vitro. Os tempos de suplementação para a maturação in vitro dos oócitos serão testados de acordo com o tratamento a seguir: Tratamento 1 (controle 1) = meio de maturação com SFB (soro fetal bovino) sem OVGP1 , Tratamento 2 (controle 2) = meio de maturação com BSA (albumina sérica bovina) sem OVGP1, Tratamento 3 = meio de maturação com BSA + OVGP1 suplementado nas 4 horas finais da MIV e Tratamento 4 = meio de maturação com BSA + OVGP1 suplementado nas 6 horas finais da MIV. Os folículos serão aspirados e os oócitos selecionados em Grau I e II. Serão realizadas cinco repetições, com (n=75) oócitos recuperados para cada repetição, sendo 15 oócitos avaliados antes da maturação e os demais serão submetidos à maturação in vitro de acordo com os grupos experimentais, totalizando 60 oócitos maturados por repetição. Para análise da progressão nuclear, os oócitos serão corados com HOECHST (33342, Sigma Co., St. Louis, EUA) e avaliados individualmente em microscópio de epifluorescência. Os dados serão submetidos ao teste de normalidade Shapiro-Wilk analisados por meio do teste ANOVA seguida pelo teste de Tukey ou Qui-quadrado (X²) ao nível de significância de 5% de acordo com os resultados de normalidade, utilizando o programa Statistical Analysis System for Windows (SAS Inst., Inc., Cary, NC). Com essa pesquisa, espera-se obter importantes resultados que venham agregar o conhecimento da presente área de estudo e otimização da técnica de PIVE. (AU)